26 de fevereiro de 2021 Atualizado 16:24

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Hortolândia

Hortolândia tem índice de larvas de dengue em alerta

Cidade apurou Índice Breteau de 3,9 em janeiro; a partir de 4, há risco de surto de dengue

Por Marina Zanaki

27 jan 2021 às 17:57 • Última atualização 27 jan 2021 às 18:04

De acordo com a UVZ (Unidade de Vigilância e Zoonoses) foram visitados 1.661 imóveis em janeiro - Foto: Prefeitura de Hortolândia - Divulgação

A Prefeitura de Hortolândia apurou um índice de larvas de dengue considerado de alerta em janeiro. O Índice Breteau da cidade, que contabiliza a quantidade de criadouros do mosquito Aedes aegypti encontrados na cidade, está em 3,9. Acima de 4, há risco de surto de dengue.

Normalmente, são realizadas três ADL (Análise de Densidade Larvária) por ano, em janeiro, julho e outubro. Hortolândia registrou aumento em relação às medições de 2020.

Em outubro, o Índice Breteau estava em 1,2, na cidade. Em janeiro do ano passado, estava em 3,2. A medição de julho não foi realizada por orientação do Ministério da Saúde em função da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

De acordo com a UVZ (Unidade de Vigilância e Zoonoses) foram visitados 1.661 imóveis em janeiro. A prefeitura explicou que realiza o sorteio de 10 imóveis em cada quarteirão.

Os agentes da UVZ entram nas casas sorteadas para investigar locais onde há larvas do Aedes aegypti. A quantidade de larvas é contabilizada e transformada em índice, conhecido como Índice de Breteau.

Veterinário da UVZ, Evandro Alves Cardoso explica que a importância de realizar a ADL é a possibilidade de prever se, nos próximos meses, o nível de infestação do mosquito estará elevado. Isso colabora para o município possa traçar estratégias de prevenção e combate ao inseto.

Ele analisou que já era esperado um aumento no índice em janeiro em relação a outubro em função do período de chuvas.

As chuvas e as altas temperaturas, que caracterizam esta época do ano, são condições propícias para o Aedes aegypti se reproduzir.

O profissional alertou que os agentes da UVZ encontraram nas casas muitos criadouros do mosquito em pratos de plantas e objetos acumulados, tais como pneus velhos e garrafas PET.

“A orientação é para que os moradores retirem os pratos, façam furos na parte de baixo para evitar o acúmulo de água ou coloquem areia no prato até a borda”, orientou o veterinário.

O veterinário destaca que a população deve fazer sua parte e colaborar com a Prefeitura na prevenção e no combate ao Aedes aegypti.

Para evitar a proliferação do mosquito em suas casas, os moradores podem fazer tarefas simples, como fazer a limpeza dos quintais e das áreas externas, manter tampados tonéis, barris e caixas d´água, colocar telas em ralos e mantê-los limpos, deixar garrafas com a boca virada para baixo.

De acordo com a Secretaria de Saúde, 80% dos focos de Dengue estão nas casas. “Também orientamos a população para que evitem o acúmulo de objetos que possam servir de criadouro para o mosquito. Se cada pessoa fizer sua parte ajudará a reduzir o índice”, salienta Cardoso.S

Segundo a Vigilância Epidemiológica, Hortolândia registra até o momento neste ano 37 casos notificados de Dengue, dos quais um testou positivo. No ano passado, foram confirmados 1.055 casos na cidade.

Publicidade