25 de janeiro de 2021 Atualizado 20:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Polícia

Foragido da Justiça desde 2009 é preso pela Polícia Civil de Hortolândia

Homem viveu os últimos 12 anos usando outro nome e até abriu empresa na cidade

Por Leonardo Oliveira

13 jan 2021 às 21:24

Uma investigação da Polícia Civil de Hortolândia prendeu na tarde desta quarta-feira (13) um homem de 40 anos, que estava foragido da Justiça desde 2009, acusado de roubos cometidos em Paulínia e Monte Mor. Usando um nome falso, ele constituiu família e até abriu empresa em Hortolândia.

Nos últimos 12 anos, ele viveu uma “vida normal”, afirma o delegado assistente da Delegacia Seccional de Americana, Claudiney Albino Xavier. Para isso, comprou um RG falso em São Paulo, com registro de Minas Gerais. Com esse documento, conseguiu emitir uma CNH (Carteira Nacional de Habilitação) verdadeira.

Homem vivia com documentos falsos e chegou a abrir empresa em Hortolândia – Foto: Polícia Civil / Divulgação

Para conseguir isso, conseguiu algum “esquema”, suspeita o delegado, que deu apoio na ocorrência. O novo documento estava em outro nome, que o indivíduo tem usado na última década. Inclusive chegou a abrir uma empresa de válvulas usando o seu nome falso como marca do negócio.

A trajetória de fuga, no entanto, foi interrompida nesta quarta-feira, com a ação da Polícia Civil. Uma denúncia anônima chegou aos agentes, indicando que um homem procurado pela Justiça estava morando no Residencial Firenze, em Hortolândia.

Lá, o indivíduo de 40 anos foi detido e chegou a se apresentar com o novo nome e fornecendo os documentos pessoais forjados. Os policiais colheram as digitais e, no confronto delas no sistema, foi descoberto a verdadeira identidade do capturado. “É um caso diferenciado. O cara consegue viver todo esse tempo escondido, usando outra identidade”

Segundo o delegado, a empresa dele não estava com a documentação regular.

O capturado foi preso por uso de documento falso e também pelos roubos cometidos. Ele foi levado até a cadeia de Sumaré e deve ser transferido ao CPP (Centro de Progressão Penitenciária de Hortolândia).

Publicidade