15 de maio de 2021 Atualizado 19:59

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Duplo Homicídio

Família não acredita em prisão de policial: ‘Se fosse o contrário já estava preso’

Após matar os irmãos Adelmo e Eclécio por conta de uma discussão por som alto, policial está foragido

Por Pedro Heiderich

27 abr 2021 às 16:58 • Última atualização 28 abr 2021 às 07:44


A família dos irmãos Adelmo e Eclécio Ferreira de Lima, de 39 e 36 anos, respectivamente, afirmou ao LIBERAL nesta terça-feira (27) que não acredita na prisão do policial José Vicente da Cruz, 67, suspeito de matar a tiros os dois na noite de sábado (24), no Jardim Nova América, em Hortolândia.

Adelmo com o filho pequeno no colo, ao lado das outras filhas e do irmão Eclécio – Foto: Divulgação / Acervo Pessoal

O policial, que está afastado e aguardando aposentadoria, é vizinho de Eclécio e fugiu após os disparos. Os irmãos foram velados e enterrados no Cemitério Parque Hortolândia na manhã desta segunda-feira (26). Eles bebiam cerveja em frente de casa, por volta das 19h, quando o policial começou a discutir com eles. Ele carregava uma pistola e atirou nos dois.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

A suspeita é que a briga tenha ocorrido devido ao som alto. A Polícia Civil segue realizando diligências em busca do policial, que está foragido.

“Não acreditamos que ele será preso. A justiça não funciona para pessoas trabalhadoras e honestas, para pais de família”, declara Vânia Elivania Santos, 37, cunhada de Adelmo. “Se fosse o contrário, tenho certeza que já tinham dado um jeito, que já estaria preso”.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Os dois irmãos eram ajudantes de pedreiro, trabalhavam na mesma empresa e sempre foram amigos. “Todos finais de semana a família sempre estava unida, todos juntos. Os dois eram trabalhadores, sinceros, honestos. Pessoas boas, bons vizinhos, bons amigos”, destaca.

Vânia, que sempre frequentava o local, conta que o policial morava com a esposa e um filho adolescente, mas que a família não tinha contato com nenhum dos vizinhos. “Quase não saiam, só ele mesmo”.

A esposa de José Vicente da Cruz foi escoltada pelos policiais e deixou a casa na noite do assassinato, conta a cunhada de Adelmo. Após os disparos, a mulher do policial teria saído de casa desesperada. José Vicente fugiu na sequência, em seu Voyage.

A familiar das vítimas revelou ao LIBERAL que o policial já havia ameaçado, com arma em punho, matar até criança por conta de barulho, no ano passado.

Séries, filmes, games, quadrinhos: conheça o Estúdio 52.

“Ele dizia em um bar próximo aqui que tinha o porte de arma. Ninguém nunca viu uma visita na casa deles. Ficamos sabendo que ia se aposentar e que realizava tratamento com psicóloga duas vezes no mês”, revela Vânia.

Policial José Vicente de Cruz – procurado por duplo homicídio – Hortolândia – Foto: Reprodução

O caso foi registrado como homicídio qualificado consumado e é investigado pelo 1° DP (Distrito Policial), sob responsabilidade do delegado João Jorge Ferreira da Silva.

A reportagem tentou contato, mas o delegado estava em diligências nos momentos das ligações. No boletim de ocorrência não aparece telefone de contato do policial José Vicente.

Publicidade