08 de maio de 2021 Atualizado 09:24

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Meio Ambiente

Secretário de Agricultura do Estado de SP visita Campinas e conhece Usina Verde

Estrutura produz adubo orgânico utilizando como matéria prima o lodo de esgoto e restos de galharia e caixas

Por Milton Paes

22 abr 2021 às 21:19 • Última atualização 22 abr 2021 às 21:32

O prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos), recebeu nesta quinta-feira (22), o secretário estadual da Agricultura, Gustavo Junqueira, para uma visita à usina de compostagem do município, a Usina Verde. O equipamento ocupa uma área de 17 hectares dentro da Fazenda Santa Elisa, no IAC (Instituto Agronômico de Campinas), que pertence ao Estado.

Secretário estadual conheceu as instalações da Usina Verde nesta quinta-feira – Foto: Carlos Bassan / Prefeitura de Campinas

A Usina Verde de Campinas é a primeira usina pública a funcionar nesses moldes no Brasil. A estrutura produz adubo orgânico utilizando como matéria prima o lodo de esgoto da Sanasa, restos de galharia e caixas do DPJ (Departamento de Parques e Jardins) e de feiras livres e, em breve, também caixas de frutas e verduras, da Ceasa. O IAC é o responsável por medir a fertilidade do adubo e certificar a qualidade.

O projeto foi elaborado pela Secretaria de Serviços Públicos de Campinas, em parceria com a Sanasa, a Ceasa e o próprio IAC. “A montagem e funcionamento da Usina Verde foram possíveis graças a uma parceria com o governo do Estado, por meio do IAC, que cedeu a área para a implantação e faz o estudo técnico do material processado. Uma empresa já foi contratada para fazer a operação. É uma parceria que deu certo, e o meio ambiente agradece”, disse o prefeito Dário Saadi.

O secretário Gustavo Junqueira cumprimentou Campinas pelo projeto. “Parabéns a todos pela condução deste projeto, que é de vários Cs: comprometimento, com o agro e com a natureza; ciência, que permite trazer e testar novidades; cidades, para que os municípios tenham participação na política regional; clima, beneficiado pelo cuidado com o meio ambiente; capital, gerando recursos; entre outros. Este trabalho é de companheirismo e consciência. E é uma referência para outras cidades, o Brasil e o planeta” reforçou.

O secretário de Serviços Públicos, Ernesto Paulella, explicou que aproximadamente de 300 toneladas de resíduos deixarão de ser enviadas ao aterro sanitário diariamente. O material é transformado em adubo orgânico, que está sendo testado nos experimentos do IAC.

“Estamos transformando lixo em adubo orgânico. Será um modelo para o país, não há outra usina como esta. A sustentabilidade é total, é uma reciclagem biológica que permite economizar mais de R$ 1 milhão por mês em uso do aterro”, detalhou.

A Usina Verde tem capacidade para processar até 300 toneladas de resíduos por dia, transformando o material em adubo. Atualmente, está funcionando com capacidade de 100 toneladas por dia.

Publicidade