03 de dezembro de 2020 Atualizado 00:17

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Americana

Venda de área da prefeitura para o DAE gera debate na Câmara de Americana

Vereadores questionam opção pela venda em vez de conceder o terreno para a autarquia

Por André Rossi

23 out 2020 às 08:37

Um projeto de lei da Prefeitura de Americana para vender uma área para o DAE (Departamento de Água e Esgoto) gerou debate na sessão da câmara nesta quinta-feira (22). Após críticas de vereadores, o texto recebeu pedido de vista e teve a discussão adiada para a semana que vem.

O objetivo do DAE é construir no local um novo reservatório “pulmão” para a ETA (Estação de Tratamento de Água), com capacidade para 10 milhões de litros d’água. Tudo que é produzido pela estação é enviado para essa unidade, que manda para os outros 14 reservatórios espalhados pela cidade.  

O superintendente do DAE, Carlos Cesar Gimenez Zappia, foi até o plenário para tirar dúvidas. O vereador Gualter Amado (Republicanos) questionou se os reservatórios de água ficam em áreas da prefeitura ou da autarquia. Ao receber a resposta de que eram da prefeitura, o parlamentar se irritou.

A vereadora Maria Giovana (PDT) acompanhou as críticas e questionou a opção pela venda, e não por uma concessão, já que é de interesse do próprio município. O valor mínimo estimado da área é de R$ 6 milhões.

“Nós estamos debatendo um projeto vergonhoso. Eu concordo com a necessidade da obra, mas o DAE pagar esse dinheiro para a prefeitura, para tirar dinheiro do saneamento básico? Não dá para votar isso. É um assalto ao nosso departamento de água e esgoto”, disparou.

Questionado pelo LIBERAL, Omar Najar (MDB) disse que nada impede que haja uma negociação para que a prefeitura ceda a área ao DAE. O argumento, no entanto, é de que a autarquia não tem propriedades no munícipio.

“O que o DAE tem de propriedade? Nada. Se acharem por bem não aprovar, tudo bem. A prefeitura não faz. Deixa para o outro prefeito fazer”, afirmou Omar.

Publicidade