26 de fevereiro de 2021 Atualizado 14:36

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Americana

Túmulo de soldado constitucionalista é furtado no Cemitério da Saudade

Sepultura do soldado Jorge Jones teve um capacete e uma espada de bronze furtadas durante a madrugada

Por Heitor Carvalho

08 fev 2021 às 15:56 • Última atualização 08 fev 2021 às 18:06

Túmulo furtado é de Jorge Jones, um dos jovens americanenses que foram voluntários da Revolução Constitucionalista de 1932 - Foto: Marcelo Rocha - O Liberal.JPG

Um túmulo tombado que homenageia o soldado constitucionalista Jorge Jones no Cemitério da Saudade, em Americana, teve um capacete e uma espada de bronze furtadas durante a madrugada desta segunda-feira (8).

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Segundo a Gama (Guarda Municipal de Americana), por volta de 5h30 foi recebida uma denúncia de que dois homens entraram no cemitério e realizaram o furto das peças de bronze.

Os criminosos teriam usado um veículo modelo GM Monza da cor azul para fugir do local. Ninguém foi preso até o momento e as peças continuam desaparecidas.

O túmulo furtado é de Jorge Jones, um dos americanenses que foram voluntários da Revolução Constitucionalista de 1932, um conflito armado ocorrido nos estados de Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e, principalmente, São Paulo, que tinha por objetivo derrubar o governo provisório de Getúlio Vargas e convocar uma Assembleia Constituinte.

Além de Jones, Fernando de Camargo e Aristeu Valente (este último de Nova Odessa, mas que na época era parte de Americana) também estão enterrados no local. Eles participaram da tomada da cidade mineira de Monte Sião e hoje são considerados heróis na cidade.

Além dos túmulos dos soldados constitucionalistas, as sepulturas de Basílio Bueno Rangel e Capitão Ignácio Corrêa Pacheco, considerados cofundadores do município de Americana, também foram tombadas pelo Condepham (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico e Cultural de Americana) em fevereiro de 2019.

De acordo com Diego Bernardo, que atua como presidente do conselho do patrimônio histórico municipal, o furto é uma perda histórica para toda a cidade.

“O dever de conservação é da prefeitura, por meio da Gama e das secretarias competentes. Nossa parte no Condepham se restringe ao tombamento. É uma perda muito grande, já que é um monumento em homenagem aos nossos antepassados, que estiveram em um evento tão importante”, afirmou.

A Prefeitura de Americana foi questionada pelo LIBERAL como funciona o esquema de segurança no cemitério e se alguma mudança poderá ser feita. No entanto, não houve resposta.

Publicidade