Suspeito de matar morador de rua tem prisão pedida pela DIG

Crime teria sido cometido por outro mendigo, no Jardim Brasil, em Americana, depois de discussão por brincadeira


O delegado José Donizeti de Melo, da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), pediu nesta quinta-feira a prisão preventiva do suspeito de matar a pauladas um morador de rua debaixo do viaduto do Jardim Brasil, em Americana, depois de uma discussão por causa de uma brincadeira. O suspeito, de 57 anos, que sumiu depois do crime, também vivia na rua – a polícia não divulgou seu nome.

O ataque aconteceu no dia 30 de dezembro do ano passado, e a vítima morreu cinco dias depois, no HM (Hospital Municipal) de Americana. A Polícia Civil fez ontem a reconstituição do crime. A Justiça ainda não decidiu sobre o pedido de prisão, segundo o delegado.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Envie uma mensagem para ser adicionado na lista de transmissão!

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Ataque a pauladas aconteceu sob viaduto que atravessa a Anhanguera

A vítima é Adriano Cezar Matheus, de 39 anos, conhecido como Fininho. De acordo com o delegado, o suspeito e a vítima ficavam debaixo do mesmo viaduto, que atravessa a Rodovia Anhanguera.

Duas testemunhas, que também dormiam debaixo do elevado na ocasião, contaram que o suspeito tinha puxado o cobertor de Fininho por gozação, o que tinha mania de fazer. A vítima, então, disse que só não bateria nele porque era mais velho. O suposto autor do crime resmungou algo e se afastou, de acordo com o delegado.

Quando Fininho e os outros dormiam, a vítima foi agredida pelo acusado com um pedaço de madeira. “A cara dele foi quase que esmagada com o pedaço de pau”, contou o delegado. Os outros moradores de rua acordaram, mas a vítima já tinha sido atingida “quatro ou cinco” vezes, segundo Melo.

O agressor fugiu do local levando a arma do crime. No dia seguinte, foi à casa da irmã e disse ter feito “uma bobagem” com Fininho. Segundo o delegado, ele contou que tinha acertado o colega com uma pedra – a polícia só tem evidências do ataque com o pau.

A mulher contou à polícia que, depois que o irmão foi embora, ela se dirigiu até o viaduto, onde outros moradores de rua confirmaram o ataque. A irmã do agressor, que é catadora de recicláveis, também conhecia Fininho.

Segundo o que a polícia apurou, o suspeito é usuário frequente de álcool, mas não usa drogas.

Além da Capa, o podcast do LIBERAL

A mobilização em Americana e Santa Bárbara em torno do Carnaval, a festa mais popular do País, é o assunto dessa edição do podcast “Além da Capa”. Ouça:

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora