03 de dezembro de 2021 Atualizado 13:17

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

CAMPANHA SALARIAL

Sindicato pede apoio de vereadores por reajuste no salário dos servidores

Funcionalismo pleiteia reposição inflacionária acumulada de cerca de 9%

Por

05 mar 2021 às 08:03

O tesoureiro do SSPMA (Sindicado dos Servidores Públicos Municipais de Americana), Aires Ribeiro, pediu ao vereadores nesta quinta-feira (4) uma moção de apoio para as negociações com a prefeitura sobre a campanha salarial.

O principal apelo é em relação ao reajuste salarial, que não ocorreu no ano passado e está “em cheque” para 2021. A pauta das reivindicações do funcionalismo foi entregue ao prefeito Chico Sardelli (PV) no final de janeiro.

O sindicato pleiteia a reposição da inflação pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do período de março de 2019 a março de 2020, e de março de 2020 a fevereiro de 2021. O acumulado totaliza cerca de 9%. Existem ainda outras 17 demandas, como a revisão do valor da cesta básica para R$ 700.

No ano passado, não houve reajuste salarial por conta da pandemia. O sindicato tentou reverter a situação na Justiça, mas não conseguiu.

Aos vereadores, Aires disse que a prefeitura tem argumentado que não pode conceder o reajuste por conta da lei complementar nº 173, de maio de 2020, sob pena de ter as contas rejeitas pelo TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo). Quando o órgão reprova as contas do prefeito, cabe a câmara acatar ou não o parecer.

“Eu estou aqui, em nome de quase seis mil servidores de Americana, pedindo apoio de vocês e que deem uma moção de apoio para que eu possa falar com o seu prefeito, que dê garantia a ele que se ele fizer a revisão geral, como manda a constituição, ele não será penalizado por essa Casa”, explicou Aires.

Professora Juliana (PT) e Renato Martins (PTB) se disseram dispostos a apoiar a causa. “Reposição não é ganho, é simplesmente recuperar o poder aquisitivo do trabalhador, principalmente agora com essa pandemia, com essa crise”, afirmou Renato.

O LIBERAL questionou a prefeitura sobre as negociações, mas não houve resposta até a publicação desta matéria.

Publicidade