24 de novembro de 2020 Atualizado 12:50

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Americana

Sindicato e funcionários do Bradesco protestam contra demissões em Americana

Segundo sindicato, demissões tem ocorrido desde outubro, sobrecarregando os funcionários e aumentando as filas na agência do Centro

Por Leonardo Oliveira

19 nov 2020 às 10:00 • Última atualização 19 nov 2020 às 10:53

O Sindicato dos Bancários de Campinas e Região e os funcionários do Bradesco realizam, na manhã desta quinta-feira (19), um movimento para protestar contra as recentes demissões ocorridas no banco nos últimos meses.

Uma das atitudes tomadas no protesto foi atrasar em uma hora o início do atendimento na agência bancária do Centro, na Rua Fernando de Camargo. Geralmente o local abre às 10 horas para atendimento ao público, porém nesta quinta-feira vai começar a receber clientes às 11h.

Faixa de protesto foi estendida na entrada da agência do Centro – Foto: Leonardo Oliveira/O Liberal

Segundo o diretor regional da subsede de Americana e funcionário do Bradesco, Daniel Ortiz, foram 20 demissões realizadas pelo banco desde o início de outubro. Na região de Campinas, foram 100 dispensas, enquanto que, no Brasil, há uma estimativa de 2.000 demissões, segundo sindicato.

Segundo Daniel Ortiz, a justificativa dada pelas instituições é que a pandemia forçou digitalizações e que isso possibilitou reestruturações que estavam previstas para ocorrerem em uma década.

“No início de outubro começaram a demissões. A gente tentava um processo de negociação, só que o banco não abriu negociação. Simplesmente ignorou nossas reivindicações e manteve as demissões”, disse em entrevista ao LIBERAL.

A situação preocupa os funcionários. Ortiz acredita que mais pessoas possam ser dispensadas no futuro, se a reestruturação se mantiver. “Hoje é um dia de luta. O sentido [da paralisação] de hoje é mais chamar a atenção da opinião pública”, acrescenta.

Centralização
Durante a entrevista, Daniel afirmou que três das seis agências do Bradesco na cidade foram transformadas em “Unidades de Negócio” e pararam de realizar atendimento no caixa. Com isso, houve a dispensa de funcionários desses locais e os clientes foram direcionados para a agência do Centro de Americana.

“Na agência madrinha não houve reposição de funcionário, nem reforço no atendimento. Por causa do aumento dessa demanda que veio dessas outras três agências, hoje a qualquer dia você constata uma fila enorme e muita reclamação, mais aglomeração e funcionários mais sobrecarregados”, finaliza Ortiz.

Ao LIBERAL, a assessoria de imprensa do Bradesco informou que não iria comentar o assunto.

Publicidade