07 de agosto de 2022 Atualizado 18:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

POLÊMICA NA SAÚDE

Sindicância sugere demissão de Dr. Daniel e esposa, Adriana, da Prefeitura de Americana

Apuração analisou episódio da confusão envolvendo vereador, médica e presidente da Fusame no HM

Por João Colosalle

11 de abril de 2022, às 15h42 • Última atualização em 11 de abril de 2022, às 18h16

Adriana e Daniel Cardoso foram afastados após confusão no HM - Foto: Reprodução / Facebook e Marcelo Rocha / O Liberal

A sindicância instaurada pela Prefeitura de Americana para apurar o episódio sobre a confusão envolvendo os médicos Daniel Cardoso, vereador pelo PDT, sua esposa Adriana Cardoso, também médica, e o presidente da Fusame (Fundação Saúde de Americana), Douglas Henrique Magalhães Ferreira, foi concluída com um parecer pela demissão dos médicos.

O procedimento administrativo disciplinar analisou uma confusão ocorrida em janeiro dentro do Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi envolvendo os três funcionários da saúde, com relatos de agressões.

Em depoimentos à sindicância, testemunhas afirmaram que, em meio a uma discussão generalizada, a médica Adriana ofendeu e deu tapas no presidente da Fusame.

Dr. Daniel teria acusado Douglas de assédio à esposa, e, segundo depoimento, proferido ofensas e dado uma cotovelada no dirigente da fundação, chamando-o para briga.

O estopim para a confusão, segundo a sindicância, seria o fato de Adriana ter “deixado seu posto de trabalho para ‘visitar’ paciente que era tratado/monitorado por outro colega de trabalho, conforme declarado em seu depoimento”. Durante a confusão, a médica ligou para que o marido fosse até o local, para defendê-la.

Entre os documentos juntados e analisados pela comissão estão um laudo que aponta lesões corporais de natureza leve no presidente da Fusame. O vereador Vagner Malheiros (PSDB), que esteve no local no dia do episódio, foi intimado para colaborar com o caso, mas, segundo a sindicância, se recusou.

Os médicos acusam a prefeitura de perseguição política, alegação dada no processo administrativo, e também se dizem vítimas de agressões no episódio.

O vereador Dr. Daniel e a esposa Adriana são dois dos principais desafetos da administração do prefeito Chico Sardelli. Adriana chegou a ser diretora técnica do HM, no ano passado, mas foi exonerada.

Desde então, ambos promovem denúncias contra a gestão municipal no Ministério Público e nas redes sociais. Eles estavam afastados da função na saúde municipal desde janeiro.

“Os vídeos e depoimentos colhidos nos autos demonstram de maneira clara e inequívoca a discussão tanto no interior quanto no exterior do Hospital Municipal, com a agressão física proferida pela sindicada doutora Adriana contra o senhor Douglas e as ameaças e agressão verbal e física proferidas pelo sindicato doutor Daniel”, traz conclusão do relatório da sindicância, assinado pelo secretário municipal de Administração Fábio Beretta Rossi.

A sindicância concluiu que os médicos infringiram deveres do regime disciplinar que constam no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Americana: cumprir ordens superiores, manter conduta compatível com a moralidade administrativa e tratar com urbanidade as pessoas.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Eles também foram enquadrados com base no artigo 482 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) que prevê demissão por justa causa por ato de indisciplina ou de insubordinação e por ato lesivo da honra ou da boa fama ou ofensas físicas praticadas contra o empregador e superiores hierárquicos.

Outro lado

A médica Adriana Cardoso afirmou que a sindicância foi parcial e com o intuito de prejudicá-la, bem como o marido, médico e vereador Dr. Daniel.

“Está ocorrendo uma perseguição política. Quem foi até o hospital fora do horário no meu trabalho nos assediar foram os gestores comissionados do prefeito. Estes não foram afastados e nem punidos. Todos os membros da sindicância que agiram parcialmente, eu irei entrar com processo”, afirmou a médica. Dr. Daniel ainda não comentou o assunto.

Questionada sobre a conclusão da sindicância, a Prefeitura de Americana afirmou que não vai se manifestar.

Contrato suspenso

Na tarde desta segunda, uma decisão da 3ª Vara Cível de Americana determinou que a prefeitura suspenda o contrato de trabalho do médico Daniel Cardoso.

A determinação atende a uma ação protocolada pelo próprio vereador. Dr. Daniel havia pedido, no dia 28 de março, o afastamento do cargo de médico plantonista do HM. Ele, no entanto, abriria mão do salário de vereador para continuar recebendo como servidor da saúde municipal.

Segundo a ação, a autorização para o afastamento havia sido dada no mesmo dia pelo secretário Fábio Beretta Rossi, mas a portaria que oficializaria a medida nunca foi publicada. Para o vereador, a situação tem “nítido caráter protelatório”.

A decisão judicial dada para suspender o contrato de trabalho é liminar – ou seja, temporária. Procurada, a Prefeitura de Americana afirmou que não foi notificada.

Colaborou Paula Nacasaki

Publicidade