20 de janeiro de 2021 Atualizado 18:31

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

FESTA

Sem efetivo para conter tumulto, Gama não consegue fechar festa na Vila Bertini

Corporação registrou um boletim de ocorrência que será encaminhado para Vigilância Sanitária para possíveis providências; espaço, que chegou a ser interditado em novembro, afirmou que realizou adequações e seguiu protocolos

Por Marina Zanaki

10 jan 2021 às 19:22 • Última atualização 11 jan 2021 às 09:05

Um show com cerca de 500 pessoas realizado no Revoada Lounge Bar e Tabacaria, na Vila Bertini, em Americana, não foi interditado pela Gama (Guarda Municipal de Americana) porque a corporação não contava com efetivo suficiente para conter um possível tumulto.

A festa ocorreu na noite de sábado (9) após as 22h, portanto após o horário permitido pela fase amarela do Plano São Paulo. Também houve a venda de bebida alcoólica, que não pode ocorrer após as 20h, e havia no local pessoas em pé e sem máscaras.

Evento no Facebook para divulgar a festa foi criado no dia 23 de dezembro – Foto: Reprodução

A Guarda elaborou um boletim de ocorrência que será encaminhado à Vigilância Sanitária para providências. O estabelecimento já havia sido interditado em novembro por realizar uma festa com aglomeração.

“A Gama esclarece ainda que tomou conhecimento do evento quando este já ocorria e que, por envolver grande quantidade de pessoas, não havia de plantão efetivo suficiente para agir no local sem que houvesse tumulto ou que se pudesse conter a eventual reação violenta”, explicou a corporação.

“A questão foi registrada em Boletim de Ocorrência da GM e encaminhada à Vigilância Sanitária, que poderá tomar as devidas providências junto aos responsáveis pelo evento irregular”, disse a Gama.

Apesar do comunicado da corporação, um patrulheiro da guarda havia publicado em suas redes sociais uma postagem sobre a festa por volta das 14h de sábado.

“A Gama apura quais os procedimentos tomados pelo guarda municipal que realizou a postagem com antecedência nas redes sociais. A questão será tratada internamente, uma vez que a possível infração descoberta não foi comunicada com antecedência”, disse o órgão.

O evento da festa no Facebook havia sido criado em 23 de dezembro.

Desencontro

A Gama disse que solicitou reforço à PM (Polícia Militar) durante a noite, mas que diante do tamanho da aglomeração, a corporação não possuía efetivo.

A versão foi rebatida pela tenente Carolina, que estava de plantão na noite de sábado. Ela disse à reportagem que a polícia recebeu uma solicitação no local por meio de um jornalista que acompanhava a situação, e, diante disso, entrou em contato com a Gama por telefone para entender o cenário. Nesse momento, ela foi informada da aglomeração de várias pessoas e da falta de efetivo da guarda para realizar a abordagem.

Festa contou com cerca de 500 pessoas – Foto: Divulgação

A PM, então, tentou contato com a Vigilância Sanitária e ninguém atendeu. Também tentou o Conselho Tutelar, que segundo a tenente disse que iria até o local somente se houvesse o consumo de bebida alcoólica por menores.

Diante do cenário, a tenente afirmou que fez contato pessoalmente com a Gama e explicou que naquele momento as equipes da PM estavam empenhadas em duas ocorrências, sendo uma de violência doméstica e outra de disparos de arma de fogo em uma praça da Cidade Jardim.

“Naquele momento em específico estava sem efetivo devido às outras ocorrências de gravidade na área, mas deixei à disposição para ligarem para o 190, solicitando um talão de apoio, assim que fossem realizar a operação por lá. Mas não houve esse retorno”, disse a tenente.

Após o fim das ocorrências que estavam sendo atendidas, outras solicitações foram feitas à PM, mas a corporação não esteve no local da festa.

No endereço do evento foi feito um novo pedido por terceiros somente às 5h30 da manhã, próximo à troca de turno, e a tenente não soube apontar o contexto dessa solicitação. Após esse pedido, houve deslocamento das viaturas.

Questionada sobre não ter solicitado novamente o apoio da PM, a Gama disse que havia feito a solicitação pessoalmente no plantão da Polícia Civil.

Outro lado
O advogado Nonato Menezes de Melo, que representa o Revoada Lounge Bar e Tabacaria, admitiu que a festa “pode” ter descumprido o horário estabelecido na fase amarela Plano São Paulo.

O decreto estadual autoriza eventos somente até as 22h. No Facebook, a festa estava marcada para começar nesse horário, e a Guarda Municipal confirmou que esteve no local às 23h. Além disso, a venda de bebida alcoólica no Estado de São Paulo pode ocorrer somente até as 20h.

“Se houve excesso no horário ainda não me reuni com a casa, mas tomei contato brevemente e tomaremos cuidados para que não volte a acontecer”, disse o advogado.

A Revoada havia sido interditada em novembro pela prefeitura por ter realizado um show que promoveu aglomerações. O advogado disse que a casa realizou as adequações e obteve os laudos necessários, conseguindo a autorização da Vigilância Sanitária para funcionar na sexta-feira, um dia antes do evento.

Ele garantiu que as medidas sanitárias foram adotadas, como restrição do público à 40% da capacidade (eram cerca de 500 pessoas, ante capacidade do salão de 1.290); álcool gel; pulseira proibindo consumo de bebidas alcoólicas para menores, aferição de temperatura na entrada e fiscalização da própria casa em relação ao uso da máscara e à proibição de pessoas em pé.

Contudo, imagem divulgada pelo próprio advogado traz pessoas em pé dentro da casa e sem a utilização de máscaras.

Imagem divulgada pelo advogado mostra pessoas em pé sem máscara, o que contraria as regras sanitárias do Plano São Paulo – Foto: Divulgação

“Obedecemos a todos os regramentos, como bar, entretenimento, servir bebida alcoólica, todos sentados, a maioria sentados, e fiscalizados pela própria casa quando ficavam de pé. É óbvio que não dá para conter 500 pessoas, ou um pouco menos, o tempo todo sentado. Mas houve essa fiscalização”, reconheceu o advogado.

Publicidade