Réu confesso, ajudante pega 31 anos de prisão por matar empresária

Bruno César Bueno Bernava pegou 30 anos de prisão por feminicídio triplamente qualificado e mais 1 ano por ocultação de cadáver


O Tribunal do Júri de Americana condenou nesta terça-feira (18) o ajudante de cozinha Bruno César Bueno Bernava a 31 anos de prisão pelo assassinato da empresária Katia Keiko Picioli Ferreira, morta em outubro de 2018.

Bruno pegou a pena máxima de 30 anos por feminicídio triplamente qualificado (motivo torpe, por ter dificultado a defesa da vítima e pelo emprego de asfixia) e mais um ano pelo crime ocultação de cadáver – o corpo foi deixado à beira de uma estrada entre Americana e Nova Odessa. A defesa dele diz que vai recorrer.

Katia tinha 40 anos quando foi assassinada. Bruno, hoje com 30, admitiu ter matado a empresária após uma discussão por ciúmes na casa dela, no Jardim Amélia, em Americana.

Os dois se relacionaram por cerca de dois meses, mas a empresária havia rompido o namoro havia algumas semanas. Bruno diz que, no dia da morte, viu no celular de Katia uma troca de mensagens dela com um rapaz, o que o irritou e deu início a uma briga.

O ajudante de cozinha admitiu o crime, mas afirmou que não tinha intenção de matá-la, e sim de “acalmá-la”. Ele chorou durante o depoimento de testemunhas.

“Confesso a todos presentes nesse plenário que infelizmente cometi tal crime. Me arrependo profundamente, peço perdão a todos, inclusive à família da Katia e à minha família. Eu não sou digno de fazer minha defesa, por isso deixo para meu advogado.”

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Envie uma mensagem para ser adicionado na lista de transmissão!

Bruno diz que o que matou Katia foi um mata-leão que aplicou na casa. A perícia mostra que ela morreu duas horas depois, asfixiada com uma toalha.

O acusado nega que tenha usado a toalha para asfixiar a vítima. Além disso, havia hematomas na cabeça dela e sangue no chão da casa.

Bruno novamente negou ter a acertado com socos. “Jamais tive a vontade de tirar a vida da Kátia ou de outra pessoa. A intenção era acalmá-la”, relatou.

As testemunhas ouvidas durante o julgamento relataram que o relacionamento entre os dois havia terminado semanas antes do assassinato. Katia tinha um filho e duas filhas – essas deixaram a casa para morar com o pai por não aprovarem o relacionamento.

A situação teria magoado a empresária, que decidiu pelo término. Mas Bruno não teria respeitado a decisão e passou a seguir Kátia onde ela ia. A mulher chegou a trocar as fechaduras da casa depois que o relacionamento acabou.

O juiz Wendell Lopes Barbosa de Souza rejeitou a alegação do réu e entendeu que não houve confissão ao ler a sentença.

“Veja-se que o acusado, ao mesmo tempo em que admite ter produzido fisicamente a morte da vítima, nega que tivesse a intenção de fazê-lo, como dito, ao mencionar que queria na verdade contê-la apenas, o que já foi completamente rechaçado.”

Na visão do juiz, o “arrependimento não brotou ainda na mente” do acusado. Souza lembrou na decisão que o acusado foi à casa de Katia com quatro facas.

Foto: Reprodução
Bruno Bernava e Katia Keiko: assassinato de empresária de Americana foi motivado por ciúmes

“Por fim, e numa atitude ainda mais abjeta, pretende atribuir sua conduta delituosa a uma suposta traição perpetrada pela vítima, que, lamentavelmente, sequer está entre nós para se defender de tal alegação injuriosa.”

Bruno disse que estava usando cocaína desde o dia anterior, tinha tomado anabolizantes e álcool.

Advogado do réu, Paulo Eduardo Paschoal Júnior disse que vai recorrer e que deve tentar a anulação do júri. Ele entende que não havia provas da ocultação de cadáver e que Bruno não tentou esconder o corpo.

Irmão de Katia, Ricardo Yoshio Picioli afirma que a sentença trouxe ao menos algum alívio. “Nada vai trazer a minha irmã de volta, mas pelo menos a gente fica mais aliviado, com o coração melhor, que ele pegou a pena máxima.”

As filhas de Katia têm hoje 9 e 15 anos, e o filho, 23. “É uma realidade dura e crua. Para a gente ainda é muito dolorido”, contou Ricardo.

Além da Capa, o podcast do LIBERAL

A trajetória do impasse em torno da lei municipal de incentivo ao esporte em Americana é o assunto da edição desta semana do Além da Capa. Ouça:

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora