22 de novembro de 2020 Atualizado 13:56

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

ELEIÇÕES 2020

Rafael Macris se emociona em convenção e fala em mudar modelo de gestão do DAE

Coligação “Americana Grande De Novo” conta com 10 partidos e 174 candidatos a vereador

Por André Rossi

12 set 2020 às 15:41 • Última atualização 12 set 2020 às 18:10

O vereador Rafael Macris (PSDB) oficializou neste sábado (12) sua candidatura para prefeito de Americana, com o empresário Ricardo Molina (Republicanos) como vice. A coligação, batizada de “Americana Grande De Novo”, conta com 10 partidos e 174 candidatos a vereador.

Integram o grupo os seguintes partidos: PSDB, Republicanos, PTC, PSC, PRTB, DEM, Avante, PTB, Pros e Progressistas. As quatro siglas que não terão candidatos a vereador são PP, PSC, PRTB PTC.

Coligação da chapa de Rafael Macris e Ricardo Molina conta com 11 partidos e 174 candidatos a vereado – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

A convenção tucana foi realizada na manhã deste sábado. Depois, no início da tarde, um evento presencial foi realizado em um prédio da Avenida Brasil para anunciar a coligação.

Contaminado com o novo coronavírus (Covid-19), Rafael participou do ato por videoconferência. Emocionado e segurando as lágrimas, o candidato elencou uma série de problemas da cidade e disse que seu grupo sabe como resolvê-los.

Entre os temas, estavam o déficit de vagas em creche, geração de emprego e a constante falta de água no município. O tucano defende uma mudança no modelo de gestão do DAE (Departamento de Água e Esgoto) através de concessões e de PPPs (Parcerias Público-Privadas).

“Se você for analisar os números colocados pela própria administrarão do DAE, precisa de algo em torno de R$ 400 milhões ou R$ 500 milhões para poder trocar as redes que estão com sérios problemas”, citou Rafael.

“Ou a gente muda esse modelo de gestão, ou vamos continuar nessa tocada e vai levar 50 anos para resolver o problema, que na minha opinião é injusto com o americanense”, analisou o candidato.

Lacunas
Presidente do PSDB em Americana, Roger Willians reforçou que a chapa foi montada com base em pesquisas que buscavam identificar camadas da população nas quais ainda faltavam intenções de voto.

Nesse cenário, o tucano confirmou que a boa aceitação de Ricardo Molina pela direita bolsonarista influenciou na escolha de trazê-lo como vice de Rafael.

“Foi isso e, claro, pelo currículo do Molina, pela experiência que ele tem na gestão na saúde privada, que é muito o tom que nós queremos dar através do Saúde Já para os atendimentos de Americana. Pela experiência que ele tem no esporte no basquete feminino”, comentou Roger.

No início deste mês, quando se colocou como pré-candidato a prefeito, Molina disse que só abriria mão de ser o cabeça de chapa se houvesse um “projeto melhor”.

“Não dá pra gente simplesmente sonhar sozinho. Estou muito tranquilo com a decisão tomada, meu grupo também. Nessa hora a gente tem que ver o que é melhor para Americana”, explicou Molina.

O vereador Odair Dias (Pros) também esteve presente na convenção e confirmou ao LIBERAL que não vai tentar se reeleger no Legislativo. Ele desistiu da candidatura a prefeito para apoiar Rafael e agora trabalha na elaboração do plano de governo da coligação.

Publicidade