Projeto obriga guardas a exame toxicológico em Americana

Objetivo do projeto enviado à Câmara Municipal pela própria prefeitura é detectar se houve uso de drogas pelos guardas; periodicidade prevista é anual


A Prefeitura de Americana pretende obrigar os guardas municipais a fazerem anualmente um exame para detectar o uso de drogas. A exigência do teste toxicológico consta de projeto de lei enviado pelo Executivo à câmara nesta terça-feira (19). A proposta abrange também os candidatos que prestarem eventuais concursos para entrar na corporação.

Os exames vão detectar, pelo menos, a presença de canabinóides (derivados da planta da maconha), cocaína, anfetaminas, “bem como aferir o consumo de substâncias psicoativas que, comprovadamente, comprometam a capacidade do exercício das funções do Guarda Civil Municipal”, segundo a justificativa do projeto. Os exames devem detectar o uso de entorpecentes, pelo menos, nos 90 dias anteriores aos testes.

Foto: Prefeitura de Americana/Divulgação
Projeto que obriga patrulheiros da Gama a passarem por exame toxicológico ainda precisa ser aprovado pelos vereadores

Na justificativa da proposta, o prefeito Omar Najar (MDB) argumenta que algumas categorias profissionais, como os motoristas, já são submetidos ao exame. Para o governo, “a atividade de profissional portador de arma de fogo não se compatibiliza com o uso de substâncias entorpecentes”.

“Para manter a ordem pública, há que se preservar o discernimento para o bom desempenho das atribuições inerentes ao cargo”, diz o texto enviado à câmara. O projeto precisa ser aprovado pelos vereadores e depois promulgado pelo prefeito para entrar em vigor.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp

Ouça o “Além da Capa”, um podcast do LIBERAL

De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, não houve nenhuma situação específica que tenha motivado o envio da proposta ao Legislativo.

Se o resultado der positivo para o uso de entorpecentes, o guarda seria submetido a uma sindicância, caso a ideia da administração se torne lei.

O profissional terá direito a uma contraprova e ao recurso administrativo. Se o patrulheiro se recusar a fazer o exame, a conduta será considerada falta grave e a Corregedoria vai analisar o caso.

Além do exame anual, a Gama (Guarda Municipal de Americana) também pode pedir o teste quando um patrulheiro usar arma de fogo ou for alvo de sindicância ou processo administrativo em razão de conduta considerada imprópria.

A obrigatoriedade anual seria estabelecida aos guardas em exercício. Quem se afastar por período superior a 180 dias também teria de fazer o teste antes de voltar ao serviço.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora