Professores temporários começam a atuar no dia 26 em Americana

De acordo com a Secretaria de Educação de Americana, 59 profissionais serão contratados, seis a mais do que o previsto inicialmente


Os professores temporários substitutos aprovados no processo seletivo da Prefeitura de Americana devem estar disponíveis para dar aulas a partir do dia 26 deste mês. A relação dos aprovados foi divulgada nesta terça-feira em edição extraordinária do Diário Oficial do município. Confira clicando aqui.

De acordo com a secretária de Educação, Evelene Ponce Medina, 59 profissionais serão contratados, seis a mais do que o previsto inicialmente.

Entretanto, as convocações serão divididas em três etapas para que a prefeitura consiga concluir o processo de contratação no período de quatro dias. A média será de 20 profissionais em cada uma das convocações. O contrato é de um ano, renovável por no máximo mais um.

A primeira foi agendada para o dia 19 de agosto, às 8 horas, para os professores de Educação Básica 1 (Ensino Fundamental Substituto) e PEB 2 (Educação Básica 2) nas áreas de Artes, Ciências Físicas e Biológicas, Geografia, História, Educação Física, Inglês, Língua Portuguesa e Matemática.

A convocação serve para apresentação de documentos e realização de exames médicos, que devem ser concluídos em um prazo de quatro dias. Com isso, os primeiros contratados estarão disponíveis a partir do dia 26.

Já no dia 30 deste mês ocorre a convocação de professores para Educação Básica 1 (Educação Infantil Substituto). E no dia 9 de setembro são os professores de creches.

“Equilibra bem a rede. Não posso dizer para você que, em períodos de emergência, a gente não tenha ainda que pagar alguma hora extra. Mas eu acredito que, por exemplo, dispensa de classe a gente não vai ter mais. É uma média de 20 professores por segmento quase, então é para suprir”, afirmou Evelene.

A chefe da pasta da Educação reforçou que a prefeitura continua em tratativas com a Fundação Vunesp para a realização de concurso.

A ideia é lançar o concurso ainda neste ano, mas não há uma data definida. O concurso supriria ao menos os 59 postos de trabalho que agora serão preenchidos.

“A prefeitura tem que fazer concurso público, que é o certo. No mínimo essas vagas que a gente está oferecendo agora (teriam de ser inclusas no concurso)”, disse Evelene.

O prefeito Omar Najar (MDB) destacou que a contratação permitirá um trabalho de maior qualidade no ensino. “Com mais professores disponíveis, poderemos compensar aqueles que se desligaram por demissão ou aposentadoria e permitiremos um melhor funcionamento das unidades”.

O processo

O processo de contratação havia sido barrado pela Justiça em resposta a ação popular movida por três educadoras que foram demitidas no corte de servidores em estágio probatório, iniciado em 2017 para reduzir despesas com folha ao limite legal de 54% das receitas, segundo a prefeitura. Entretanto, foi liberado pelo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Dias Toffoli no dia 4 de julho.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora