Problema de drenagem provoca inundações no Portal dos Nobres II

As casas afetadas ficam na Rua C do condomínio e o problema ocorre em dias de chuva forte


Um problema na drenagem de águas pluviais de sete empresas localizadas a montante da Lagoa do Piva, em Americana, tem provocado inundações em casas do Condomínio Portal dos Nobres II. A situação é investigada em inquérito civil do 2º promotor de Justiça da cidade, Ivan Carneiro Castanheiro, que acompanha ainda a questão da poluição da lagoa.

De acordo com o síndico do condomínio, Carlos Dobelin, as casas afetadas ficam na Rua C, e o problema ocorre em dias de chuva forte. O último caso ocorreu há cerca de três meses.

“Quando chove muito, um pouco mais da média, alaga a rua toda. Tem umas casas lá e chega a fechar a rua. Então o cara vai chegar na casa dele e não tem como entrar. É a parte mais baixa de toda uma área bem grande”, explicou Dobelin.

Foto: Divulgação
De acordo com síndico do condomínio, casas afetadas ficam na Rua C

O síndico afirma que o surgimento das empresas e obras de ampliação nas rodovias influenciaram na situação. O loteamento foi aprovado pela prefeitura em 1988.

“A prefeitura aprovou essas sete empresas e não exigiu que fizessem galeria adequada ou que fizesse um piscinão. Antigamente enchia muito pouco. Agora a água que vem do Pós-Anhanguera faz a lagoa encher mais do que o normal”, disse Dobelin.

O promotor explicou que as sete empresas em questão não causam poluição na lagoa. Entretanto, influenciam na inundação no condomínio.

“Estão provocando inundação, extravasamento na área úmida até de possíveis efluentes e inundando casas no condomínio. O problema da drenagem da água pluvial dessas sete indústrias e da região como um todo, do próprio dreno de extravasamento da lagoa, passa por dentro do portal”, explicou Ivan.

Um dos encaminhamentos feitos pelo promotor foi a solicitação para que a CCR AutoBAn, concessionária responsável pela SP-330 (Rodovia Anhanguera), encaminhe os projetos de construção e ampliação das pistas nos trechos da Lagoa do Piva, bem como trechos anteriores e posteriores nas adjacências.

A Prefeitura de Americana informou que as empresas citadas pelo promotor são, na verdade, empreendimentos comerciais, residenciais e industriais. Nenhum deles foi notificado “visto que não foi constatado fato que evidenciasse poluição nos locais fiscalizados”.

“Na reunião junto à promotoria, foi criada comissão que coordenará as ações, novas coletas de amostras, nova sondagem nos empreendimentos do entorno”, disse a prefeitura.

Licenciamento

Outro inquérito civil relacionado acompanha o cumprimento das condicionantes do licenciamento de cinco empresas que se instalaram a montante da Lagoa do Piva. Elas precisaram firmar com prefeitura e Cetesb um TCRA (Termo de Cumprimento de Recuperação Ambiental) para garantir o plantio e conservação de mudas de espécies nativas, permitindo o reflorestamento das marges da lagoa.

“Funcionará como um filtro contra a própria poluição e poderá contribuir para melhoria da qualidade da água, evitando erosão, evitando carreamento de sedimentos de fertilizantes e de produtos tóxicos para dentro da represa. Com isso também fica facilitada a reprodução da vida aquática”, afirmou Ivan.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora