PM e Gama prometem ação integrada contra Réveillon na Av. Brasil

Avenida Brasil foi palco de confusão durante noite de Natal, com uso de drogas e armas de fogo


A PM (Polícia Militar) e a Gama (Guarda Municipal de Americana) vão integrar forças para evitar que a Avenida Brasil seja palco de baderna durante o Réveillon. Na noite de Natal, a região próxima ao Parque Ecológico foi tomada por cerca de duas mil pessoas em uma festa que chegou a ter disparos de arma de fogo. Ninguém ficou ferido, mas a situação acendeu um alerta nas corporações.

Detalhes da operação não foram informados por uma questão estratégica, mas estão previstos reforços no patrulhamento preventivo, ocupação de áreas consideradas estratégicas e, em caso de necessidade, uso de armas não letais, como gás de pimenta.

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal
Embalagens de bebidas alcoólicas consumidas na noite de Natal em rua paralela à Avenida Brasil

Nesta quarta-feira, estiveram reunidos os capitães Eurípedes Furtado e Anderson Teixeira, da PM, e o comandante Marcos Guilherme e o inspetor Valdomiro Bianchi, ambos da Gama. O capitão Furtado disse que desde já as forças policiais estão monitorando as redes sociais. Em um evento criado no Facebook, já há 1,8 mil pessoas confirmadas e outras 1,8 mil interessadas em uma festa na Avenida Brasil durante a virada do ano.

No dia 31 de dezembro, a PM e a Gama pretendem se posicionar nos locais de maior aglomeração antes mesmo do início da chegada dos populares. “A PM e a Gama não são contra as pessoas se reunirem e se divertirem, mas não podemos coadunar (se conformar) com tráfico de entorpecentes e pessoas armadas dando disparos para cima. Onde há crime e desordem social é preciso tomar alguma providência”, afirmou o capitão.

As duas corporações foram alvo de reclamações por parte de moradores e comerciantes, que as acionaram durante a confusão na noite de Natal. Eles relataram que não houve intervenção das forças de segurança e que as festas são recorrentes nessa região. Contudo, o capitão informou que a corporação não tinha informações de que seria realizado um evento no local.

“Se a força policial tentasse entrar na área ocupada, haveria confronto. Para evitar que qualquer policial ou cidadão ficasse ferido, evitamos e monitoramos a situação. As pessoas estavam em um único sentimento, sem regras, se alguém entrasse querendo impor a lei geraria conflito”, explicou o capitão Furtado, que é coordenador operacional interino do batalhão. “Vamos ocupar a área antes, evitando o confronto, e usaremos armas não letais, como gás de pimenta”.

Comandante da Gama, Marcos Guilherme disse que um dos principais objetivos da reunião foi alinhar quais pontos serão patrulhados por cada corporação. “Temos um efetivo semelhante. Se não distribuirmos bem, vamos sobrepor esforços e deixar algum lugar desguarnecido. Não tratamos apenas do Réveillon na Avenida Brasil, falamos sobre vários pontos, incluindo a Praia dos Namorados. Esses são os dois locais que mais chamam a atenção, mas é possível que haja reunião de jovens e populares em vários pontos da cidade. Estaremos alertas para dar segurança à população”.

As corporações entregaram um ofício à Polícia Civil para convidá-la a reforçar a operação. “Compete à Polícia Civil reforçar o plantão policial para pronto atendimento. Havendo necessidade, será direcionada equipe para apoio”, disse a delegada seccional, Martha Rocha de Castro.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!