18 de outubro de 2021 Atualizado 22:30

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

PANDEMIA EVOLUI

Pelo segundo mês seguido, Americana bate recorde de casos de Covid-19

Mesmo sem ter chegado ao fim, junho já ultrapassou maio, com 2.899 infecções confirmadas

Por João Colosalle

24 jun 2021 às 06:33 • Última atualização 24 jun 2021 às 09:48

Antes mesmo do fim do mês, o número de casos de Covid-19 em junho, em Americana, já se tornou o maior já registrado na pandemia. Até então, era maio quem detinha o recorde de registros. No mês passado, foram 2.749 diagnósticos positivos. Neste mês, até esta quarta-feira, já eram 2.899, segundo dados da prefeitura.

O patamar acima de 2 mil casos ocorre em Americana pelo quarto mês consecutivo. Antes de março, quando uma segunda onda de infecções provocou o pior cenário da pandemia no País, a cidade só tinha contabilizado mais de 2 mil casos uma vez, em agosto, no final da primeira onda.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

O avanço da segunda onda evidenciou uma evolução muito mais grave das infecções na população local e sustentada em altos patamares. Para se ter ideia, Americana levou cerca de 11 meses – de março de 2020 a fevereiro deste ano – para chegar a 10,5 mil casos. Para dobrar este número, porém, foram necessários apenas pouco mais de três meses. Nesta quarta-feira, o município somou mais 200 casos e chegou a 21.734.

Em relação às mortes, Americana contabilizava até ontem 638 vítimas. Segundo os boletins da prefeitura, deste total, 68 ocorreram neste mês, a maioria entre pessoas de 50 a 59 anos. Caso o ritmo persista, junho deve se tornar o terceiro mês com mais óbitos na pandemia, ultrapassando maio, quando 76 moradores faleceram pela Covid-19.

Hospitais

A alta de infecções e mortes pelo coronavírus tem pressionado o sistema de saúde do município desde a segunda semana de junho. Segundo os dados de ocupação de leitos divulgados pela prefeitura diariamente, com exceção dos finais de semana, do dia 9 ao dia 22, Americana permaneceu com pelo menos 195 leitos de UTI e de enfermarias ocupados por pacientes com Covid-19 ou suspeita da doença.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Este nível de ocupação, acima de 190, só havia sido registrado por um dia no município até então, no final de março, no pico da segunda onda. Nesta quarta-feira, porém, os números trazidos pela prefeitura apontavam 188 leitos ocupados de 191 disponíveis nos quatro hospitais da cidade.

Apesar de um novo agravamento da crise, há poucas restrições impostas pelo poder público à circulação de pessoas e atividades. Pressionada por vereadores na semana passada, a Prefeitura de Americana preferiu intensificar fiscalizações em pontos de aglomeração durante à noite, como bares e casas de eventos.

Para o infectologista André Giglio Bueno, do Observatório da PUC-Campinas sobre a Covid-19, a falta de medidas que promovam o isolamento é um problema. “Não tendo adoção de medidas mais restritivas, mais rígidas, a gente vai ficar nesse patamar elevado de casos. As pessoas vão continuar se expondo e a gente não tem uma cobertura vacinal ainda tão alta que consiga frear essa elevação de casos”, comentou.

*Colaborou Ana Carolina Leal

Publicidade