16 de maio de 2021 Atualizado 23:07

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Americana

Patrulheiros prestam última homenagem à guarda que morreu após transplante

Francielle Fidelis trabalhou na Gama por 10 anos e faleceu nesta segunda-feira por complicações da terceira cirurgia a que foi submetida

Por Paula Nacasaki

27 abr 2021 às 13:22 • Última atualização 27 abr 2021 às 16:57

Guardas realizaram cortejo em homenagem à colega de trabalho, que faleceu nesta segunda-feira – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

Os guardas municipais de Americana e de Nova Odessa prestaram uma última homenagem para a companheira de trabalho Francielle Fidelis, que morreu na tarde desta segunda-feira (26), aos 36 anos, após passar por sua terceira cirurgia de transplante de fígado.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Francielle trabalhou na Gama (Guarda Municipal de Americana) por 10 anos, e os amigos realizaram um cortejo durante o velório e sepultamento, que ocorreram no cemitério Parque Gramado, nesta terça.

Diversas viaturas se organizaram com as sirenes ligadas, e os patrulheiros ficaram em formação enquanto o caixão com o corpo de Francielle era levado. Houve discurso, aplausos e uma salva de tiros.

Francielle passou por três transplantes em 12 dias e não resistiu a uma hemorragia – Foto: Facebook / Reprodução

A patrulheira Duanis Canizella, de 44 anos, se formou com a Francielle e compartilhou boas lembranças da amiga. “A Fran, além de se preocupar com ela, se preocupava com a gente também. Não tem como descrever ela, uma pessoa maravilhosa, amiga e companheira. Falei que se pudesse tinha doado metade do meu fígado para ela”, diz Duanis.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Segundo o diretor-comandante da Gama, Marco Aurélio da Silva, gratidão é a palavra que fica da corporação para a patrulheira. “Fica uma gratidão imensa da corporação, da dedicação, carinho e atenção que ela sempre teve com a população e com todos os integrantes da guarda. Foi uma pessoa que trabalhou até o último dia antes de fazer a cirurgia com um sorriso no rosto”, afirma Aurélio.

Francielle deixou o marido, com quem foi casada por 12 anos, e as duas filhas, de 6 e 8 anos. Ela passou por três transplantes de fígado em doze dias. Nesta segunda, quando realizava a terceira cirurgia, teve complicações e acabou não resistindo.

Publicidade