Padre Leandro atraía coroinhas para ‘satisfazer lascívia’, diz denúncia

Acusação do Ministério Público contra pároco que atua em Americana detalha abusos cometidos contra quatro vítimas; defesa diz que acusação é absurda


A denúncia apresentada pelo Ministério Público contra o padre Pedro Leandro Ricardo descreve quatro episódios em que o religioso teria abusado de crianças e adolescentes que atuavam junto a ele na Paróquia São Francisco de Assis, em Araras, entre os anos de 2002 e 2006. O LIBERAL teve acesso ao documento nesta terça-feira (17). A ação sobre o caso tramita sob sigilo.

Segundo a Promotoria, o padre, por exercer “autoridade moral e inegável influência religiosa sobre os membros de sua comunidade”, “atraía crianças e adolescentes para a função de ‘coroinha’, bem assim para as tarefas cotidianas da igreja, com o propósito último de satisfazer sua lascívia”.

Tal condição de ascendência sobre as vítimas é considerada pela Promotoria como “temor reverencial” na denúncia apresentada na última sexta-feira (13) à Justiça de Araras.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Clique e envie uma mensagem

Desde o início das investigações, Leandro tem negado as acusações de abusos sexuais. O advogado que o defende diz que a acusação do Ministério Público é “absurda” (leia mais abaixo).

Foto: Arquivo_O Liberal
O padre Pedro Leandro Ricardo, acusado de abusos sexuais em paróquia de Araras

O documento do MP cita oito supostas vítimas. Dois casos são relacionados a supostos abusos ocorridos e sob apuração em Americana. Outros dois não renderam elementos suficientes para que fossem incluídos na denúncia – um deles prescreveu e outro houve negativa veemente da vítima.

Nos quatro casos que renderam a acusação a padre Leandro, os relatos de abuso foram feitos pelas próprias vítimas em inquérito conduzido pela Polícia Civil de Araras.

Em um deles, a Promotoria descreve que, em 2002, Leandro chamou um rapaz para dormir na casa paroquial para ajudá-lo na missa da manhã seguinte.

O padre, diz a denúncia, ofereceu vinho ao jovem e depois apareceu de bermuda, com o pênis ereto. Segundo o MP, Leandro fez sexo oral no adolescente, que se livrou do religioso e correu para um dos quartos.

Em outra oportunidade, a mesma vítima relatou ter sido assediada pelo padre quando ele passou as mãos sobre suas coxas e pênis. O episódio teria ocorrido durante uma viagem de carro, dirigido pelo padre.

“Consumados os delitos, o denunciado, em data posterior, na tentativa de comprar o silêncio da vítima, entregou ao adolescente um envelope contendo a soma de R$ 500. A vítima, que até então não tinha tido contato com
nenhum tipo de prática sexual, deixou de frequentar a igreja”, conclui a denúncia do MP.

Situação semelhante ocorreu em 2003 também em uma viagem com uma adolescente que era coroinha à época, na Paróquia São Francisco de Assis. Enquanto dirigia, padre Leandro teria desviado o caminho para uma estrada da zona rural de Araras. Segundo a vítima, ele passou as mãos nas coxas e genitais. “Aterrorizada com insistência do denunciado [Leandro], a vítima tentou pular do veículo em movimento”, diz a denúncia

“De igual modo, depois de consumado o crime, o denunciado tentou de comprar o silêncio da vítima, presenteando-a com perfumes”, traz o MP. “Posteriormente, expulsa da igreja pelo denunciado, a adolescente passou a sofrer de depressão”.

No caso de um menino de 11 anos, Leandro alisou o corpo da criança a pretexto de vesti-lo com a batina, segundo o MP. O episódio teria ocorrido em 2005.

No mesmo período, o padre também convidou uma adolescente para ser coroinha na igreja e, “aproveitando-se da ausência de recursos financeiros da vítima”, a chamou, certa vez, a sua sala para se oferecer para pagar a ela a passagem para que pudesse acompanhar o grupo do coral que faria viagens pela região.

Na sala, padre Leandro teria feito carícias na adolescente. Dias depois, sob o pretexto de conversar sobre a vocação da menina, o pároco teria segurado seu pênis em frente a ela – o episódio foi interrompido por alguém que bateu à porta da sala. Em outra oportunidade, em 2006, minutos antes da celebração de uma missa, Leandro chamou a adolescente à sala e baixou as calças da menina.

Ouça o podcast Além da Capa, produzido pelo LIBERAL

“A vítima, de forma intuitiva, subiu as calças e empurrou as mãos do padre. Este, contrariado, ameaçou a vítima dizendo que prejudicaria seu irmão [seminarista], caso não cedesse às suas investidas”, descreve o MP. “Por fim, o denunciado expulsou a adolescente do coral”.

ACUSAÇÃO

Na denúncia apresentada na última sexta-feira o promotor Luiz Alberto Segalla Bevilacqua pede que o padre seja condenado por quatro crimes de atentado violento ao pudor com dois agravantes: ele exercia autoridade sobre as pessoas e, em um dos casos, a vítima tinha menos de 14 anos.

O crime de atentado ao pudor consiste em constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a praticar ou permitir que com ele se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal. As penas variam de 2 a 6 anos de prisão.

Se Leandro for condenado à punição máxima em cada um dos casos, a pena acrescida dos agravantes somaria 46 anos e 6 meses de cadeia – no Brasil, ninguém pode ficar mais de 30 anos preso.

Agora, a Justiça vai decidir se aceita a denúncia proposta pela Promotoria. Caso seja aceita, padre Leandro virará réu na primeira instância e deverá ser julgado após o juiz ouvir testemunhas de acusação e defesa.

A Promotoria não pediu a prisão preventiva do padre porque ele respondeu à investigação em liberdade e não atrapalhou o andamento do inquérito, além de não possuir mais contato com as vítimas.

DEFESA

O advogado Paulo Sarmento, que defende o padre Pedro Leandro Ricardo, criticou a denúncia apresentada pelo Ministério Público de Araras contra o reitor afastado da Basílica de Americana, acusado de crimes sexuais.

“A denúncia é absurda, não encontra respaldo no fatos e viola o princípio da legalidade”, disse ao LIBERAL Sarmento. No entendimento do advogado, os depoimentos que embasam a acusação da Promotoria contra Leandro “não subsistem ao contraditório e às provas que serão produzidas pela defesa no decorrer do processo”.

“Confiamos que o Poder Judiciário não se deixará levar por comoção pública produzida artificiosamente por mídias sociais, e fará Justica absolvendo nosso cliente de tais acusações falaciosas”, afirmou o defensor.

HISTÓRICO

O padre Leandro Ricardo está fora do comando da Basílica de Americana desde janeiro, quando a investigação teve início. Inicialmente, ele pediu afastamento. Depois, foi suspenso após as denúncias contra ele virem a público.

Leandro atuou em Araras antes de ser transferido para Americana. O inquérito contra ele teve origem em um dossiê anônimo montado por um produtor audiovisual e por uma advogada enviado à deputada federal Lecy Brandão (PCdoB), que encaminhou o material ao Ministério Público.

Foto: Marcelo Rocha - O Liberal.JPG
Suspeitas de abuso e acobertamento recaem sobre o bispo Dom Vilson e o padre Leandro Ricardo; eles negam

Além de casos de abuso sexual supostamente cometidos pelo padre, inclusive em sua passagem por Americana, a denúncia também relatava acobertamentos por parte do bispo da Diocese de Limeira, dom Vilson Dias de Oliveira, além de extorsão a outros padres e acúmulo de patrimônio incompatíveis com o cargo que ocupa na igreja.

O escândalo, que chegou a repercutir em um encontro mundial da igreja, com o Papa Francisco, culminou com a queda de Dom Vilson do posto, em maio. No lugar de Vilson, assumiu o bispo dom José Roberto Fortes Palau, de 54 anos.

COMISSÃO

Após os escândalos de abuso sexual que atingiram líderes católicos locais, a Diocese de Limeira criou uma Comissão de Denúncias para receber queixas de abusos sexuais cometidos por clérigos e religiosos.

O órgão, que começou a operar no primeiro semestre, já analisa casos, que correm sob sigilo. Para entrar em contato com a comissão, é preciso ligar na Cúria Diocesana, no telefone (19) 3441-5329.

A criação da comissão seguiu decreto do papa Francisco, que determinou que até junho de 2020 todas as dioceses do mundo tenham sistemas acessíveis para receber as queixas.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora