25 de setembro de 2021 Atualizado 21:30

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

ESPECIAL

O golpe do intermediário: campeão de vítimas em Americana

Polícia diz que crime que usa anúncio de veículo em sites fez 33 vítimas apenas entre janeiro e março deste ano na cidade; entenda na terceira reportagem especial do LIBERAL sobre golpes digitais

Por Leonardo Oliveira

24 abr 2021 às 08:07 • Última atualização 24 abr 2021 às 09:10

Dentre os vários tipos de golpes cometidos com a ajuda da internet, um deles se destaca em Americana: o golpe do intermediário fez ao menos 33 vítimas na cidade entre os meses de janeiro a março deste ano, segundo dados da DIG (Delegacia de Investigações Gerais).

Nele, os fraudadores usam um anúncio real de um veículo à venda na internet para atuar como intermediários na negociação, recebendo o dinheiro, mesmo sem ser dono do veículo. Trata-se de um dos golpes mais complexos, por isso é grande a frequência com a qual ele ocorre (veja abaixo).

Segundo o delegado José Donizete de Melo, da DIG de Americana, as vítimas geralmente têm entre 25 e 50 anos e possuem os mais diversos níveis de escolaridade.

Delegado José Donizete de Melo comentou sobre o perfil mais comum das vítimas desse tipo de golpe – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

“É a busca de vantagem. A pessoa acha que está fazendo um negócio extraordinário, o que, na verdade não existe”, conta o policial, que falou ao LIBERAL nesta terceira reportagem da série especial sobre como funcionam os golpes digitais.

Um dos que caíram nesse golpe em Americana foi um analista de 29 anos, que conversou anonimamente com a reportagem.

“Hoje eu desconfio até da sombra. Qualquer negociação de carro que eu for fazer, é só pessoalmente, só trato direto com a pessoa, não aceito intermédio de terceiros, de forma alguma, e não caio na besteira de confiar em ninguém. Não é a forma de tratar as pessoas, mas infelizmente hoje eu desconfio de todo mundo”, desabafa.

O analista, nesse caso, era o vendedor. Em 2019, ele anunciou um Chevrolet Prisma no valor de R$ 46 mil. Ele se encontrou com o comprador, de Hortolândia, que fez a transferência bancária para o intermediário depois que o morador de Americana fez a comunicação de venda no Detran-SP.

Eles descobriram que se tratava de um golpe porque o valor da transferência não caiu na conta do vendedor, que se recusou a entregar o automóvel sem ter a garantia financeira. Como já havia a comunicação de venda, o Prisma está até hoje com a documentação parada, sem poder ser licenciado.

“Não consigo vender o carro, não consigo licenciar, eu não consigo fazer nada. Se eu rodar e a polícia pegar, é perigoso ir preso, porque está sem documentação”, conta.

O ROTEIRO DO GOLPE
Criminoso copia anúncio, engana dono do veículo e fica com dinheiro de comprador

A abordagem
O golpista entra em contato com o dono de um veículo anunciado na internet e diz que pretende comprá-lo para quitar uma dívida com um familiar. Ao vendedor, o golpista faz um pedido incomum: pede que ele não fale ao familiar sobre valores.

A réplica
Na internet, o criminoso replica o anúncio do veículo que negociava, só que com um preço bem abaixo do mercado, para atrair interessados.

Outra vítima
Com o anúncio falso, o golpista atrai um comprador para um veículo que sequer é seu. Ainda assim, para despistar, o criminoso topa que o comprador veja o automóvel pessoalmente.

O encontro
Funcionando como um intermediário, o criminoso combina um encontro entre o verdadeiro dono do veículo e o comprador. Para o primeiro, ele diz que o comprador que irá ver o automóvel é o tal do familiar. Para o comprador, ele diz que quem irá mostrar o carro é um amigo.

O prejuízo
Como os dois foram orientados pelo golpista a não falarem de valores nesse encontro, as vítimas não desconfiam de nada e saem acertadas da negociação. O comprador, então, deposita para o golpista, autor do anúncio falso e quem ele acha que é o verdadeiro dono do veículo. Depois do pagamento, o estelionatário desaparece.

PARA NÃO SER VÍTIMA
O que fazer para evitar ser trapaceado por golpistas digitais

  • Evite intermediários e prefira negociar sempre com o próprio comprador ou vendedor
  • Desconfie de ofertas muito atrativas, se você for o comprador
  • Vendedor, colocou preço abaixo do mercado e o comprador negociou? Desconfie
  • A transferência do veículo deve ser realizada em um cartório. Somente faça uma transferência do valor no momento da assinatura do documento (comprador). Somente faça a transferência do veículo com a confirmação do seu banco de que o dinheiro está na conta (vendedor)
  • Quando receber uma transferência bancária, sempre confirme com o seu banco se o dinheiro está em sua conta

Veja as reportagens da série especial

Engenharia social
Por que as pessoas caem em golpes digitais?

Investigação
Como a burocracia atrapalha a apuração policial

Não seja enganado (25 de abril)
Como se proteger da ação de golpistas digitais

Publicidade