‘Morrer de dengue é primitivo’, diz filha de vítima

Aposentado Antonio Venancio, de 82 anos, morreu na terça-feira no Hospital Unimed; ele havia sido diagnosticado com dengue e contraiu pneumonia depois


Americana registrou a sexta morte por febre hemorrágica com suspeita de dengue do ano. O aposentado Antonio Venancio, de 82 anos, morreu nesta terça-feira no Hospital Unimed. Segundo familiares, ele havia sido diagnosticado com dengue, ficou internado, e nesse período contraiu pneumonia.

“As pessoas morrerem de dengue é uma coisa muito primitiva, a pessoa padecer por causa de porquice, falta de educação dos outros. Meu pai vivia à base de repelente, vivia com SBP (inseticida) do lado, e mesmo assim não adiantou”, declarou a comerciante Ana Paula Venancio Baioco, filha de Antonio.

Foto: Pixabay
Idoso foi a vítima fatal da dengue em Americana

Os primeiros sintomas apareceram no dia 4 de maio e a família procurou o Hospital Unimed no dia 6. O aposentado apresentava febre, dor no corpo, dores de cabeça e queda de plaquetas. Foi constatada a necessidade de internação e ele foi transferido para o Hospital Santa Casa de Misericórdia, em Santa Bárbara d’Oeste. De acordo com Ana Paula, ele apresentou melhora e a família acreditou que ele seria liberado.

Contudo, no dia 10 de maio seu quadro piorou e o paciente foi transferido à Unimed, onde ficou internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Venancio morreu às 6h10 da manhã do dia 14. Ele teve material coletado e enviado ao Instituto Adolfo Lutz para confirmação da suspeita de dengue.

“Por conta do organismo debilitado por causa da dengue ele não reagiu à medicação, não teve força pra combater as duas infecções”, lamentou a comerciante. Venancio deixa uma esposa e quatro filhas. Ele foi enterrado na terça-feira, no Cemitério Parque Gramado.

O aposentado morava na Vila Dainese, bairro que tem 22 casos confirmados da doença. “Acho que envolta do meu pai umas oito pessoas pegaram dengue nas duas últimas semanas”, disse Ana Paula, que questionou a falta de ações de combate ao mosquito naquela região recentemente.

Segundo o Programa Municipal de Controle da Dengue, foram trabalhados diversos quarteirões da Vila Dainese nos últimos 20 dias e, nesta quinta-feira, a equipe esteve no São Roque, bairro vizinho ao local onde o aposentado vivia.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora