02 de março de 2021 Atualizado 22:34

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

AMERICANA

Morre o comerciante Sidney Capellini

Ele foi proprietário do Quiosque do Capellini, ponto de encontro de motociclistas no Mercadão Municipal

Por Leonardo Oliveira

25 jan 2021 às 19:03 • Última atualização 26 jan 2021 às 08:54

Morreu na madrugada desta segunda-feira (25), aos 59 anos, o comerciante Sidney Jorge Capellini, proprietário do antigo Quiosque Capellini, instalado no Mercadão Municipal de Americana. Ele também foi presidente do Nosferatu Moto Clube, de Americana.

Capellini morava no Jardim Paulistano, em Americana – Foto: Facebook / Reprodução

Segundo informações de amigos dele, ouvidos pelo LIBERAL, Sidney sofria de diabetes e estava “debilitado” nos últimos anos, com dificuldades para se locomover. Na tarde deste domingo, inclusive, recebeu a visita de vários de seus companheiros de Nosferatu Moto Clube.

O Quiosque Capellini era ponto de encontro para motociclistas de Americana, que se reuniam todos os sábados no local. Em 2020, pelas dificuldades físicas que enfrentava, Sidney arrendou o ponto. Mesmo assim, amigos faziam questão de levá-lo ao local aos finais de semana para uma confraternização.

No Nosferatu Moto Clube, foi presidente entre 2007 e 2020. Nesta segunda, houve um cortejo feito por motociclistas em direção ao crematório de Piracicaba, onde o corpo do comerciante será cremado nesta terça. Sidney era solteiro e não deixa filhos.

Homenagem ao nosso Irmão Jorge Capellini descanse em paz!!! NosferatuMc MotoClube

Publicado por Jolly Rogers em Segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

“Tanto para nós do Nosferatu quanto para os motociclistas de Americana ele foi uma pessoa fundamental em várias situações. Ele era um cara muito carismático, o pessoal gostava demais dele. Ele fez muitos amigos. Para nós ele era considerado uma lenda do motociclismo americanense”, disse ao LIBERAL o atual presidente do clube, Jaime Sanchez.

Podcast Além da Capa
São 11 novos vereadores em Americana a partir deste ano na comparação com a legislatura que terminou em 2020. Falamos sobre o desenho que se apresenta na atuação dos parlamentares e a relação com a pandemia da Covid-19 nesse contexto.

Publicidade