21 de outubro de 2020 Atualizado 10:46

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Americana

Morre em Americana a pequena Aysha Goerigk, que enfrentava doença rara

Bebê de 5 meses teve uma parada cardíaca por volta das 10h30, em sua casa, segundo o pai, Sven

Por Rodrigo Alonso

26 set 2020 às 14:34 • Última atualização 27 set 2020 às 08:42

A pequena Aysha Goerigk, de 5 meses, que enfrentava um quadro de AME (Atrofia Muscular Espinhal), morreu neste sábado (26). Ela teve uma parada cardíaca por volta das 10h30, em sua casa, em Americana, segundo o pai Sven Goerigk. “Em questão de segundos, ela foi embora”, lamentou.

Ele contou a bebê não teve nenhuma complicação antes do falecimento. “Ela estava indo muito bem, estava numa felicidade, estava rindo”, disse.

O velório começa às 15 horas, no Cemitério da Saudade. Neste domingo, às 10 horas, o corpo irá para o crematório de Piracicaba.

A família chegou a iniciar uma campanha de arrecadação financeira em busca de R$ 12 milhões, que é o custo de um tratamento com o remédio Zolgensma.

Os familiares chegaram a juntar R$ 290 mil, mas a arrecadação desta semana, que ainda não foi contabilizada. Sven prometeu destinar esse dinheiro para o combate aos efeitos da AME. “A gente ainda não decidiu como, nem para quem, mas vai ser voltada para a AME mesmo”, contou.

A bebê Aysha e os pais Cristiane e Sven – Foto: Arquivo Pessoal

Evento
Estava programado para este sábado, às 18 horas, na Fidam (Feira Industrial de Americana), um show beneficente em prol de Aysha. De acordo com Sven, o evento está mantido, mas, agora, será como uma forma de agradecimento àqueles que se solidarizaram com a menina.

O show consistirá num ‘drive in’. Os ingressos estão à venda no site.

Doença
A família descobriu que a bebê era portadora da doença após o pediatra notar anormalidades no desenvolvimento motor. O diagnóstico confirmou que ela sofria de AME 1, o tipo mais agressivo da síndrome rara e degenerativa.

A doença interfere na capacidade do corpo de produzir uma proteína essencial para sobrevivência dos neurônios motores, afetando gestos como respirar, engolir e se mover.

Publicidade