15 de setembro de 2021 Atualizado 11:17

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Homicídio

Desentendimento teria motivado esquartejamento de morador de Americana

Clovis Antonio Grisante Junior mantinha um relacionamento com idosa que confessou o crime; assassinato aconteceu em Presidente Epitácio

Por Rodrigo Alonso

15 set 2021 às 07:57 • Última atualização 15 set 2021 às 11:17

O morador de Americana esquartejado em 22 de agosto, em Presidente Epitácio, teria sido assassinado por causa de um desentendimento com a suspeita do crime, uma idosa de 63 anos, com quem mantinha relacionamento amoroso.

As informações são do delegado responsável pelo caso, Márcio Fiorese, que atua na cidade onde foi praticado o homicídio.

A vítima é Clovis Antonio Grisante Junior, de 43 anos – Foto: Reprodução

A vítima Clovis Antonio Grisante Junior, de 43 anos, teve seu corpo cortado em pedaços. Sua cabeça não havia sido localizada até esta terça-feira.

A idosa acusada foi presa na quinta-feira passada, em Hortolândia, assim como um homem de 65 anos, sendo que sua participação está sendo investigada pela Polícia Civil. Os dois continuam presos temporariamente. Os nomes permanecem mantidos em sigilo.

A mulher possui uma casa de veraneio em Presidente Epitácio, perto do local onde partes do corpo de Clovis foram encontradas. No imóvel, agentes encontraram um contrato de trabalho de Clovis e vestígios de sangue humano.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O delegado não explicou como a polícia chegou até o outro idoso preso, para as investigações não serem prejudicadas, mas disse que ele pode ter algum tipo de envolvimento com essa residência. “Pelas provas técnicas aqui, de algum modo foi apontada eventual participação dele”, informou Fiorese.

De acordo com o delegado, a idosa admitiu a autoria do assassinato e do esquartejamento. “Independente de ela ter confessado ou não, o crime já tinha algumas evidências. Foi só para confirmar mesmo, e ela só confessou também diante das evidências técnicas apresentadas”, declarou.

Ela também afirmou ter agido sozinha, segundo informou Fiorese. No entanto, além de investigar o outro homem, a Polícia Civil ainda apura se há mais alguma pessoa envolvida neste caso do homicídio.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

O delegado apontou que Clovis e a mulher mantinham um relacionamento, mas que era “conturbado”. Porém, ele não soube precisar qual era a ligação entre os dois.

“Algum relacionamento com ele esta mulher estava tendo. Isso a gente sabe através das investigações. Mas o tipo de relacionamento entre eles, se era só algo casual, se era namoro, a gente ainda não sabe”, comentou o delegado.

Publicidade