Missa da Sexta-Feira Santa é marcada por agradecimentos

Para o padre Edmilson José da Silva, que celebrou a missa na Basílica, a Semana Santa tem forte apelo emocional


Foto: Marcelo Rocha - O Liberal.JPG
Missa na Basílica na Sexta-Feira Santa

Não faltavam motivos para Ademir Pinto, de 65 anos, agradecer a Deus nesta Sexta-Feira Santa na Basílica de Americana. Em 2018, o aposentado teve um AVC e um infarto. A parada cardíaca, inclusive, aconteceu dentro de uma igreja em Valinhos. A fé teve participação especial na recuperação, contou Ademir na saída da missa da Celebração da Paixão do Senhor com a Adoração à Cruz.

“[Essa data] tem o significado especial porque a gente transmite pra nós a nossa religiosidade, a nossa fé”, explica Ademir. Para sua esposa, Cleide Maria Donadon Pinto, de 65 anos, o maior significado da data caminha em paralelo à superação do marido. “Esperança, renovação de vida.”

Nair Floriano, de 70 anos, acha que a morte de Jesus Cristo significa a oportunidade de recomeço. “Ele [Cristo] deu essa oportunidade para nós”, diz Nair. A Sexta-Feira Santa representa a crucificação de Jesus. Foi quando, segundo a doutrina cristã, ele morreu para pagar pelos pecados da humanidade.

Nair sabe bem o que é recomeço. Há quatro anos, perdeu a mãe, Verginia, que tinha 82. As duas moravam juntas e eram muito apegadas. Ao tocar no assunto, o semblante de Nair muda e os olhos ficam úmidos. “Ela ficou doente de repente e já faleceu, foi rápido.” Foi na fé que encontrou amparo e força.

Para a aposentada, a data é um momento que todo mundo deveria aproveitar para recomeçar. “Não em palavras, em atos.”

Ademir, que sobreviveu ao AVC e ao infarto, acha que o momento em que se lembra do sacrifício de Cristo remete a uma experiência muito pessoal. “Essa participação é muito especial, não é, assim, grupal, é tua.”

Para o padre Edmilson José da Silva, que celebrou a missa na Basílica, a Semana Santa tem forte apelo emocional, porque é o período em que o cristão vive mais intensamente seu sentimento.

“O mundo está sempre retornando ao primeiro amor, e para nos cristãos, o primeiro amor é sempre o amor de Cristo”, explica o padre. “Então é isso, simples assim, é uma coisa que não dá pra falar. Hoje é um dia pra sentir”, completa.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora