20 de setembro de 2020 Atualizado 11:47

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Linha de frente

Médicos trazem experiência do Rio na atuação de combate à Covid-19 no HM

Jansen Fernandes, Samy Chitayat e Caio Jorge atuaram no Hospital de Campanha do Maracanã e estão em Americana

Por Rodrigo Alonso

02 ago 2020 às 08:30 • Última atualização 02 ago 2020 às 09:25

Três médicos que atuavam no Hospital de Campanha do Maracanã, no Rio de Janeiro, reforçaram o combate ao coronavírus no Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, em Americana.

Eles estão na cidade há duas semanas, desde quando o Grupo Hygea passou a gerir a escala dos médicos para o Pronto Atendimento Covid-19 e para a unidade semi-intensiva, alas do HM destinadas para atendimento de pacientes com o novo coronavírus.

Médicos Jansen e Samy, do Maracanã ao HM Dr. Waldemar Tebaldi – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

Na sexta-feira, a reportagem esteve no hospital, onde conversou com dois dos médicos: os cariocas Jansen Fernandes, de 28 anos, e Samy Chitayat, de 31. O outro é Caio Ferrairo Jorge, de 34 anos, de Curitiba – o LIBERAL não conseguiu contato com ele até sexta.

Jansen e Samy enfrentam a pandemia desde o início no Rio de Janeiro, um dos primeiros focos do vírus. “Com a pandemia, a gente reduziu muito o fluxo do centro cirúrgico. Era comum você encontrar anestesista, cirurgião, todo mundo nos hospitais de campanha”, conta Jansen, que tem formação como anestesista.

Antes do Maracanã, ele também havia combatido a Covid-19 no Hospital CopaStar e no Hospital de Campanha Lagoa-Barra. Mas foi no Maracanã que o médico encontrou o pior cenário, com uma rotina marcada por mortes e plantões semanais de até 96 horas.

“Você tinha pacientes jovens, pacientes idosos, paciente que você não imaginava. E, do nada, as pessoas morrendo, morrendo, morrendo. Muita gente morrendo. Foi algo e ainda está sendo algo bem diferente para a classe médica, porque a gente não está acostumado com isso”, diz.

Samy ficou cerca de quatro meses no hospital provisório do Maracanã, que comporta 400 leitos. Antes, o profissional, especializado em cirurgia urológica, não costumava trabalhar com atendimento clínico. Mesmo assim, ele decidiu entrar nessa “guerra”.

“A gente via uma necessidade grande pelo profissional de saúde num cenário equivalente a uma guerra mundial. A diferença agora é que é uma guerra de todo mundo contra um vírus. E acho que isso acabou motivando bastante a maioria dos médicos que entraram nessa batalha”, afirma o profissional.

Para Samy, a situação atual alterou a rotina dos trabalhadores que atuam no enfrentamento ao coronavírus.

“Foi um senso coletivo de todo mundo sair da zona de conforto e ser obrigado a trabalhar até sob condições pesadas psicologicamente, de incertezas, de medo, tanto para o paciente como para a própria equipe se expondo ali, com medo de se contaminar, levar o vírus para dentro de casa, para sua família”.

AMERICANA
O trio começou a trabalhar no HM de Americana num momento de transição, pois a antiga empresa responsável pela escala teve o contrato rescindido pela Fusame (Fundação de Saúde de Americana), após problemas no atendimento ao público.

Os trabalhos, então, foram assumidos pela Hygea, que levou 32 médicos para o HM. De acordo com Jansen, o hospital passou a contar, inclusive, com médicos mais experientes.

“A gente já vê um resultado excelente, uma mudança até na evolução, no desfecho dos pacientes, na organização da equipe intra-hospitalar”, completa Samy.

Podcast Além da Capa
Entre tantos anúncios aguardados com ansiedade em relação à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a apresentação de uma vacina eficaz e produzida em larga escala, com capacidade de imunização de toda a população, seria o equivalente a um trending topic unânime ao redor do globo. O episódio dessa semana atualiza o panorama local em relação à espera pelo imunizante.

Publicidade