15 de maio de 2021 Atualizado 12:29

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Justiça

Mais de 100 dias depois, caso de atropelamento que matou pastor segue parado

Laudo que pode apontar o estado do motorista no acidente ainda não saiu; causador segue solto

Por Pedro Heiderich

25 abr 2021 às 09:13 • Última atualização 26 abr 2021 às 11:56

Prestes a completar quatro meses, a investigação sobre o atropelamento que matou um pastor de 28 anos em um quiosque em Santa Bárbara d’Oeste está parada. A Polícia Civil aguarda um laudo que apontará se o motorista que causou o acidente estava embriagado.

A amostra de sangue foi enviada ao IML (Instituto Médico Legal) na noite do atropelamento, mas o resultado da análise ainda não foi juntada ao inquérito policial. O motorista envolvido está em liberdade.

Caminhonete bateu em poste após atropelar pastor (destaque) em SB – Foto: Ernesto Rodrigues / O Liberal e Reprodução / Facebook

Casado e pai de dois filhos, Jhonnatan Guimarães foi morto após uma caminhonete invadir o quiosque no Mollon no final da tarde de 30 de dezembro. Ele era pastor na Igreja Plena Paz, no Jardim Guanabara, em Americana.

O motorista, de 54 anos, que dirigia uma caminhonete Toyota Hilux, atingiu uma motociclista, atravessou o quiosque e bateu em um poste que fica ao lado do Parque dos Jacarandás.

Além do pastor e da motociclista, mais três pessoas ficaram feridas. Testemunhas afirmaram que o veículo estava em alta velocidade. Após o acidente, o motorista não saiu do carro, ficou sem prestar socorro, e parecia embriagado, e não conseguia se comunicar, segundo registro policial.

Na delegacia, ele alegou que teve um mal súbito e que toma remédios controlados. A reportagem não conseguiu contato com o motorista.

Júlia Francieli de Oliveira ainda tem dificuldade para andar – Foto: Divulgação

A monitora de esportes Júlia Francieli de Oliveira, de 39 anos, é a motociclista atingida. Ela passou por cirurgia na perna e se recupera, com dificuldade para andar. Júlia tem que lidar ainda com a demora do inquérito.

“Ficamos de mãos atadas, está tudo parado. É difícil. Se fosse alguém roubando um ovo para sustentar o filho, já estaria preso”, desabafa.

Segundo ela, uma familiar do motorista entrou em contato com Júlia logo após o acidente. “Ela falou que não tinha como reestabelecer a minha saúde, mas perguntou se eu estava precisando de alguma coisa. Eu estava muito nervosa na época e não respondi”, ressalta.

A monitora procurou advogados, que aguardam o laudo do motorista para avaliar os danos e entrar com ação contra o acusado. Ela completa que seu sofrimento é pouco comparado à família do pastor.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

“Eu tenho que dar graças a Deus que estou viva e de não ter perdido a perna. Mas fico imaginando a mulher do pastor, ela não tem o que fazer, já perdeu o marido. Torço por justiça”. Procurada, a família de Jhonatan preferiu não se manifestar.

Local ficou destruído após o ocorrido – Foto: Ernesto Rodrigues – O Liberal

Os advogados de Júlia, William Oliveira e Wilson Infante, a demora no inquérito “vitimiza novamente aqueles que foram prejudicados, e é incompreensível, já que o exame é simples”.

O caso é investigado pelo 2º Distrito Policial de Santa Bárbara, no Jardim Pérola. No DP, um funcionário disse à reportagem que o inquérito está parado por conta do laudo que ainda não chegou. Ele afirmou que o motorista ainda não foi indiciado.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Questionada sobre o caso, entretanto, a SSP (Secretaria Estadual da Segurança Pública), afirmou que “após analisar os laudos e ouvir testemunhas a autoridade policial indiciou o autor por homicídio culposo e lesão corporal culposo na direção de veículo automotor. O inquérito foi encaminhado ao Fórum com pedido de prazo para conclusão das diligências”.

Publicidade