Justiça mantém prisão preventiva contra motorista

Defesa de Carlos Alberto dos Santos nega que testemunha do caso está sendo ameaçada; morte de Cleunice Rodrigues, de 40 anos, ocorreu em 2017


A Justiça de Americana negou o pedido de revogação da prisão preventiva decretada no mês passado contra o motorista Carlos Alberto dos Santos, 53 anos. Ainda foragido, ele é acusado de participação, junto com o filho Allan Trecino Santos, 23 anos, na morte da dona de casa Cleunice Rodrigues, 40 anos. A decisão leva em conta a ameaça que uma testemunha vem sofrendo. A primeira audiência do caso também foi marcada para o dia 17 de maio.

Em entrevista ao LIBERAL, a advogada de defesa de pai e filho, Marlene Rodrigues Alves, disse que a “alegação dos réus estarem ameaçando testemunha não se associa com a realidade existente”. Por meio de nota, ela afirmou que “os depoimentos constantes nos autos são falaciosos, pois, como se sabe, os réus não estavam mais na cidade de Americana, estavam na cidade de Bertioga quando supostamente ocorreram disparos de arma de fogo na residência do tio da testemunha”.

Foto: Reprodução Facebook
Dona de casa Cleunice Rodrigues, de 40 anos, foi morta em 2017

De acordo com a denúncia oferecida pelo MP (Ministério Público), Cleunice, que morava no São Jerônimo, em Americana, foi até a casa do ex-genro – Allan –, no Parque Planalto, em Santa Bárbara d’Oeste, na madrugada do dia 15 de outubro do ano passado, para tirar satisfação por conta de um desentendimento ocorrido momentos antes entre ele e a filha dela. A dona de casa estava acompanhada de uma amiga.

O pai dele – Carlos Alberto – saiu para atender a dona de casa, dando início a uma discussão. Allan apareceu com uma arma de fogo e feriu a ex-sogra na região do tórax. Ambos mandaram a testemunha correr. O ex-genro jogou a vítima, ainda viva, no Rio Piracicaba, e abandonou o carro de Cleunice em um canavial, em Limeira.

No dia seguinte ao crime, pai e filho procuraram pela testemunha na casa dela, obrigando-a fugir. Dois dias depois, descobriram onde a mulher estava – na casa de um tio – e voltaram a ameaçá-la efetuando disparos de arma de fogo contra a residência.

Allan está preso na Penitenciária de Guareí. O pai dele teve o mandado de prisão expedido no dia 9 de fevereiro, porém, ainda segue foragido. O corpo da vítima foi encontrado no dia 12 de novembro no Rio Porto de Areia, no bairro Tanquã, em Piracicaba.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora