Investigação de roubo na Basílica termina sem identificar ladrão

Funcionário que carregava a quantia de R$ 109 mil da Festa de Santo Antônio foi roubado em junho do ano passado


A Polícia Civil encerrou a investigação do roubo de R$ 109 mil pertencentes à Basílica Santuário Santo Antônio de Pádua, em Americana, ocorrido em junho do ano passado, sem identificar nenhum responsável pelo crime. O dinheiro era proveniente da tradicional Festa de Santo Antônio.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp

O inquérito foi relatado pela polícia no dia 27 de agosto ao Judiciário. O padre Pedro Leandro Ricardo, afastado do comando da Basílica, afirmou em vídeo distribuído pelo WhatsApp que o inquérito foi arquivado. Questionada sobre o arquivamento, a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça informou apenas que o processo corre em segredo e que não tem acesso a ele – é a Justiça que mandar arquivar apurações.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
O dinheiro roubado era proveniente da tradicional Festa de Santo Antônio

A investigação policial, conduzida pela DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Americana, envolveu quebra de sigilo telefônico, interceptação telefônica e também imagens de câmeras de comércios em volta. A DIG, porém, informou que não poderia detalhar as informações em virtude do segredo de Justiça envolvendo o caso em questão.

O roubo aconteceu em 18 de junho de 2018, às 10h15. Um funcionário da igreja levava os R$ 109 mil para depositá-los em uma agência bancária quando foi abordado por um homem armado na Rua 30 de Julho. Segundo o relato feito à polícia na época, o ladrão bateu o cano da arma no peito do funcionário, disse que atiraria, exigiu o malote com o valor e depois subiu na garupa de uma moto, na qual um comparsa o esperava.

O padre Pedro Leandro Ricardo, que está afastado de sua função na Basílica e é investigado por denúncias de abusos sexuais feitas por ex-coroinhas (que ele nega), divulgou um vídeo pelo WhatsApp, na semana passada, no qual diz que o inquérito foi arquivado e que foi vítima de fake news.

“Você sabe que a Basílica Santuário, por ocasião da festividade de seu padroeiro no ano passado, sofreu um assalto, e eu venho sendo vítima de fake news até os dias de hoje, que afirmam que eu teria sido a vítima do assalto, que ele teria ocorrido em frente à casa paroquial, durante o momento da festa, e que eu tinha em mãos uma grande quantia de dinheiro e que eu não fiz o boletim de ocorrência”, afirma Leandro no vídeo.

Ouça o “Além da Capa”, um podcast do LIBERAL

Porém, no vídeo o padre mistura o roubo com outra situação. É na denúncia enviada anonimamente ao Ministério Público no ano passado contra Leandro (e que gerou a investigação sobre os abusos) que está escrito que, em 2013, o padre saiu da Festa de Santo Antônio para levar, sozinho, R$ 300 mil arrecadados no evento até a Casa Paroquial, do outro lado da rua. Momentos depois, teria voltado dizendo ter sido roubado. A investigação sobre tudo o que consta na denúncia corre em sigilo.

Procurado nesta segunda pelo LIBERAL por telefone, Leandro não quis comentar o caso. “Só aquilo que eu falei lá, o vídeo já está esclarecedor”, disse. A assessoria de imprensa da Diocese de Limeira, à qual a Basílica se reporta, informou que não foi notificada oficialmente sobre a conclusão do inquérito.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora