07 de maio de 2021 Atualizado 08:10

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Política

Formada comissão para acompanhar reestruturação da saúde em Americana

Comissão foi sugerida pela vereadora Leonora Périco, que aponta que desde 2015 o sistema de saúde municipal sofreu grande prejuízo com o fechamento de unidades

Por Ana Carolina Leal

30 abr 2021 às 08:00 • Última atualização 30 abr 2021 às 08:03

A Câmara de Americana definiu, durante a sessão realizada nesta quinta-feira (29), a formação da Comissão Especial de Estudos e Acompanhamento sobre a reestruturação e expansão do sistema de saúde no município.

A presidência ficará ao cargo da vereadora Leonora Périco (PDT) que terá o apoio dos parlamentares Juninho Dias (MDB), Marcos Caetano (PL), Marschelo Meche (PSL), Pastor Miguel Pires (Republicanos), Professora Juliana (PT) e Vagner Malheiros (PSDB).

A comissão atende um requerimento de Leonora. No documento protocolado no Legislativo, a vereadora argumentou que desde 2015 o sistema de saúde municipal, em especial a atenção básica, sofreu grande prejuízo com o fechamento de unidades e redirecionamento do atendimento da população para locais de difícil acesso ou até mesmo inadequados à prestação do serviço.

“A atenção básica ou atenção primária em saúde é conhecida como ‘porta de entrada’ dos usuários nos sistemas de saúde. Ou seja, é o atendimento inicial, sendo seu objetivo orientar sobre a prevenção de doenças, solucionar os possíveis casos de agravos e direcionar os mais graves”, afirmou.

A parlamentar citou como exemplo de prejuízo à população, o redirecionamento da UBS (Unidade Básica de Saúde) do Parque da Liberdade, que foi fechada em 2015.

“Ela foi reestruturada na unidade do Parque Gramado e, agora, será readequada na unidade Dona Rosa”, disse. De acordo com Leonora, o redirecionamento prejudica não apenas os pacientes, mas também os profissionais que buscam estar integrados ao bairro e fazem visitas domiciliares regularmente.

“A intenção em criar essa comissão é acompanhar de perto, passa a passo o que está acontecendo na  saúde, a falta de médicos, de funcionários, para poder cobrar”.

Publicidade