Fila por médico especialista em Americana chega a três anos

Programa Saúde Já, que compra consultas em clínicas particulares, não resolveu problema em várias especialidades, onde tempo até aumentou


A fila de espera para atendimento com médicos especialistas em Americana chega a três anos, mesmo com a implantação do Programa Saúde Já, que consiste na compra de consultas em clínicas particulares. A informação foi fornecida pela própria Secretaria de Saúde em resposta a um requerimento do vereador Vagner Malheiros (PDT) no dia 27 de novembro.

A prefeitura diz que as filas diminuíram. Respostas a requerimentos do passado, porém, indicam que a espera em várias especialidades aumentou até um ano e meio em relação a fevereiro de 2018, dois meses antes de o Saúde Já ser oficialmente lançado – embora a fila tenha de fato caído drasticamente em ramos com bastante demanda, como a otorrinolaringologia.

A prefeitura também informa que a fila oscila muito durante o ano. A maior espera atualmente é para atendimento com dermatologista: três anos. Em fevereiro de 2018, eram dois anos e quatro meses.

Para consulta com cardiologista e neurologista, a demora é de dois anos. Em 2018, era necessário aguardar seis meses para ver o primeiro e um ano para ser atendido pelo segundo.

Para consultar um oftalmologista, a demora média no mês passado era de um ano e dez meses (em fevereiro de 2018, eram dez meses). Para ver um ortopedista, a fila leva 12 meses (ante nove em fevereiro de 2018).
Por outro lado, a fila do otorrino caiu de dois anos e três meses para um mês, e a do urologista, de dois anos para 30 dias, sempre na comparação entre fevereiro de 2018 e agora.

Uma mulher de 67 anos, que sofre vários problemas, como hérnia de disco, bico de papagaio e já rompeu um tendão, tenta desde 2018 uma consulta com ortopedista. Segundo seu filho, um autônomo de 44 anos que pediu para que ele e a mãe não fossem identificados, não há previsão de atendimento.

Segundo ele, a mãe pega receita para remédios com um clínico geral, mas precisava ser atendida por um especialista que avalie a extensão e evolução dos problemas e, por exemplo, a necessidade de cirurgia no caso.

“É bem complicado. A gente depende do sistema de saúde público, não temos como pagar.”

De acordo com a prefeitura, o Saúde Já será ampliado em 2020.

“Estas especialidades [as citadas acima, com filas de até três anos] foram contempladas, porém ainda não em quantidade suficiente para suprir a demanda corriqueira, bem como a demanda reprimida do município.”
A prefeitura também informou, por meio da assessoria de imprensa, que a demanda reprimida oscila muito durante o ano, de acordo com o volume de atendimento.

O governo prepara um novo chamamento público para comprar consultas de médicos particulares. “Quanto às contratações, o plano é exatamente ofertar uma quantidade determinada de consultas para médicos da iniciativa privada, que possam absorver essa demanda em seus consultórios particulares”.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora