Falta de espaço trava projeto de digitalização

Problema sobre espaço na sede atual envolve os bens que não estão sendo utilizados pelo Poder Legislativo de Americana


A falta de espaço no prédio onde funciona a Câmara de Americana está travando a implantação da divisão de digitalização de documentos. Apesar de ter sido aprovado em setembro, o projeto ainda não saiu do papel porque necessita de uma sala disponível para abrigar os equipamentos e nem dispõe de três funcionários designados para atuar no setor.

Segundo Alfredo Ondas (MDB), atual presidente do Legislativo, a expectativa é de que a divisão comece a funcionar ainda no primeiro trimestre de 2019.

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal
Apesar de ocupar um imóvel bastante amplo a câmara não tem uma sala específica para digitalização

“Estamos trabalhando para liberar o espaço necessário”, informou. De acordo com Ondas, foi feito um levantamento de todos os bens que não estão sendo utilizados pela câmara com o objetivo de classificá-los e catalogá-los. A ideia é oferecê-los inicialmente para a prefeitura e se não houver interesse doá-los ao Fundo Social de Solidariedade. Com a doação dos bens inservíveis, a câmara espera conseguir o espaço para a nova divisão.

A equipe da nova divisão é formada por funcionários que já atuam no Legislativo. Um deles, segundo Ondas, já foi treinado para a nova função. Os equipamentos necessários para a digitalização estão comprados.

“Só falta o espaço”, garante. De acordo com ele, a relação dos bens inservíveis está pronta. “O passo seguinte já é encaminhar as doações”, completa, ressaltando que a preocupação é fazer a destinação dos bens dentro da legalidade para evitar problemas no futuro com o Tribunal de Contas.

A digitalização terá início pelo arquivo morto da câmara, que atualmente ocupa três salas do prédio onde funciona o Legislativo. São milhares de indicações, requerimentos, projetos e moções, entre outros documentos elaborados pelos vereadores. A ideia, segundo Ondas, é digitalizar todo o acervo para garantir a eternização do acervo e facilitar o acesso quando necessário.

Além desse processo, a modernização também inclui a implantação do sistema de assinatura digital de documentos para que no futuro eles sejam emitidos pelos gabinetes apenas na versão digital, evitando gastos excessivos com impressões e o arquivamento. Atualmente, embora a versão digital desses documentos esteja disponível no site da câmara, eles continuam sendo impressos e gerando volume no arquivo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!