Engenheiro perde R$ 3 mil em golpe da falsa venda de moto

Caso foi registrado na CPJ (Central de Polícia Judiciária) de Americana e um inquérito deve ser aberto para apurar o crime


Um engenheiro de 30 anos, morador de Itatiba, perdeu R$ 3 mil no golpe da falsa venda de veículo nesta quarta-feira (12). Sua intenção era comprar uma moto de uma vigilante de 36 anos que reside em Americana, mas um estelionatário copiou o anúncio verdadeiro e praticou o golpe. O caso foi registrado na CPJ (Central de Polícia Judiciária) de Americana.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Envie uma mensagem para ser adicionado na lista de transmissão!

O golpe funciona da seguinte maneira:

  • O criminoso pega um anúncio de um veículo na internet, copia todas as informações do produto e cria um novo anúncio com um preço menor do que o original;
  • Surge um interessado, que entra em contato com o golpista;
  • O estelionatário assume o papel de intermediário e marca um encontro entre o proprietário do veículo e o interessado;
  • Antes, conta uma história diferente para os dois e pede para que não conversem sobre os valores;
  • O encontro acontece, o comprador vê que o veículo é real e a proprietária constata que a pessoa quer realmente comprar o produto;
  • Após o encontro, o golpista volta a entrar em contato com o interessado e começa a negociar os valores do veículo, como se fosse o verdadeiro dono. Por fim, dá uma conta bancária para receber o dinheiro. Ao receber, o golpista foge.
Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal
O caso foi registrado na CPJ (Central de Polícia Judiciária) de Americana

No caso desta quarta, o criminoso copiou o anúncio de uma moto que era vendida a R$ 5,7 mil por uma moradora de Americana e criou um novo anúncio vendendo o mesmo veículo por R$ 3 mil. O engenheiro de Itatiba se interessou e entrou em contato.

O golpista disse para o engenheiro que vendeu a moto anunciada para sua cunhada, a vigilante, mas ela não pagou, por isso decidiu colocar novamente a venda e que ele poderia ir checar o estado do veículo na casa da parente.

Porém, o golpista também entrou em contato com a dona da motocicleta, pois o engenheiro precisaria ver o veículo antes de comprá-lo.

Para a mulher, o golpista alegou que tinha uma dívida com o engenheiro e que iria comprar o veículo para quitar esse débito.

O morador de Itatiba foi até a casa da vendedora para ver a moto e fechou o negócio com o golpista.

“Pra mim ele falou que estava esperando o dinheiro cair na conta dele [golpista] para ela [vigilante] liberar a moto. Para ela, ele fez um depósito na boca do caixa com envelope vazio”, disse o engenheiro em entrevista ao LIBERAL.

O engenheiro começou a achar a história estranha e entrou em contato com a vendedora da moto, que também estava sendo enganada pelo golpista. Foi só aí que ele percebeu que tinha caído em um golpe.

“Comecei a achar estranho, foi aí que entrei em contato com ela, tirei a história limpo e percebi que era golpe”, completou.

Um inquérito policial deve ser aberto para apurar o caso. Ninguém foi preso até a publicação desta reportagem.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora