22 de janeiro de 2022 Atualizado 21:02

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Americana

Empresa paga salários atrasados de enfermeiros que atuam no HM

Na segunda, os funcionários haviam sido informados de que pagamento seria feito somente no dia 26 deste mês

Por Ana Carolina Leal

12 jan 2022 às 16:37 • Última atualização 12 jan 2022 às 16:38

O Instituto Innovare pagou nesta quarta-feira (12) os salários atrasados dos enfermeiros e técnicos de enfermagem terceirizados que atuam no pronto-socorro do Hospital Municipal Dr Waldemar Tebaldi, em Americana.

Os profissionais começaram a trabalhar em 5 de dezembro e deveriam ter recebido o primeiro salário em 7 de janeiro. No último dia 10, no entanto, eles receberam um comunicado da empresa, que afirmava que o pagamento só deveria ser feito no dia 26. O atraso dos salários foi noticiado na edição desta quarta-feira do LIBERAL.

Uma das funcionárias entrevistadas pela reportagem confirmou o pagamento. “Começou a ser pago pela manhã e até o meio-dia, caiu o salário de todo mundo”, disse.

A empresa também enviou nota informando sobre o acerto dos atrasados. “Estamos realizando o pagamento no dia de hoje [nesta quarta-feira]. Alguns colaboradores já receberam e outros estão em processamento, com finalização prevista até às 14 horas”, trouxe o texto.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Os enfermeiros e técnicos em enfermagem foram contratados para atuar no pronto-socorro do hospital, no lugar dos profissionais concursados, que foram remanejados para outros setores da instituição.

A prefeitura informou ao LIBERAL, em dezembro do ano passado, que no lugar de 51 concursados entrariam 116 enfermeiros e técnicos. O Instituto Innovare foi contratado com dispensa de licitação por se tratar, segundo a administração, de medida emergencial para atender apontamentos feitos pelo Coren (Conselho Regional de Enfermagem) sobre o déficit de profissionais.

“O déficit de profissionais de enfermagem tem se constituído em um dos maiores problemas para o bom funcionamento dos fluxos e processos da assistência aos pacientes”, justificou o governo municipal na época. O contrato com a empresa tem validade de 90 dias e investimento mensal de R$ 709 mil.

Publicidade