Em discussão no Congresso Nacional, Fundeb custeia professores na região

Recursos do fundo são usados para folha de pagamento nas cidades da RPT (Região do Polo Têxtil); renovação ainda é analisada


Em discussão no Congresso Nacional, o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) é responsável pela folha de pagamento dos professores na região. No ano passado, o fundo rendeu à RPT (Região do Polo Têxtil) o montante de R$ 408 milhões.

Foto: Editoria de Arte / O Liberal
Fundeb é composto por diversos impostos e é o principal mecanismo de financiamento da educação básica no Brasil; sua validade acaba este ano

O Fundeb é composto por diversos impostos e é o principal mecanismo de financiamento da educação básica no Brasil. Sua validade acaba em 2020, e para que continue existindo é preciso que um novo projeto seja aprovado.

Professor da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp de Marília, Silvio Cesar Nunes Militão explicou que o principal ponto de divergência para aprovação da atual proposta (a PEC 15/15) é a participação do governo federal no Fundo.

O valor arrecadado com os impostos e que compõe o Fundeb recebe um complemento do governo federal de 10%. A PEC defende que esse percentual aumente gradualmente até chegar em 40%.

Com esse percentual sobre o montante, a União complementa o Fundeb dos Estados cuja arrecadação de impostos não foi suficiente para alcançar o valor mínimo nacional por aluno/ano – valor que é fixado anualmente e que, em 2019, foi de R$ 3,2 mil por aluno/ano.

Esse percentual de 10% que corresponde à complementação da União e o valor mínimo nacional por aluno/ano são considerados baixos, pois permitem que apenas nove estados recebam o reforço – São Paulo, por exemplo, não recebe.

Ministro da Educação, Abraham Weintraub defendeu que a participação da União passe para 15%. Ele declarou que “não há justificativa técnica” para que a complementação seja de 40%.

Militão lembrou que o governo Bolsonaro desistiu de tornar o próximo fundo permanente e propôs que ele tenha validade de 10 anos.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Envie uma mensagem para ser adicionado na lista de transmissão!

“A gente tira da educação uma coisa muito importante, que é a segurança para o gestor investir a longo prazo. Isso está muito ligado à política econômica do Ministro Paulo Guedes, que vem defendendo que o Estado não tenha vinculação de recursos porque engessa o setor público e não pode aplicar naquilo que acha mais premente e viável. Mas o que é mais premente e viável que educação?”, questionou o professor.

PREOCUPAÇÃO

O Fundeb de Americana no ano passado foi de R$ 69 milhões, totalmente investidos em salários da educação. Desse valor, R$ 7 milhões são referentes a complemento do Estado. Sem a renovação do Fundeb, o município deixaria de receber esse aporte estadual, já que ele é repassado mediante o cálculo do valor mínimo aluno/ano.

A Secretaria de Educação de Americana disse que está aguardando o desenrolar dos fatos e espera que a situação “seja resolvida da melhor maneira possível para a comunidade escolar”.

Em Santa Bárbara d’Oeste, o Fundeb representa 55% dos gastos com educação – os recursos são usados para pagamento de servidores do setor.

“A receita do Fundeb corresponde a 15% do orçamento do município e paga 90% das despesas referentes a salários dos servidores da Educação. A ausência desse recurso trará sérios prejuízos ao setor”, declarou a prefeitura barbarense.

Hortolândia é a cidade com maior Fundeb na região – recebeu R$ 119 milhões em 2019. A prefeitura disse que o fim do Fundeb representaria um grande prejuízo para o município, e defende que o fundo se torne permanente. Nova Odessa e Sumaré não se posicionaram.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora