Em dez anos, patrimônio de bispo teve aumento de 380%

Dom Vilson disse à polícia que patrimônio é oriundo de família, embora não conste herança em declarações


Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
O religioso é o chefe da Igreja Católica em 16 cidades da região, inclusive Americana

O patrimônio do bispo de Limeira, dom Vilson Dias de Oliveira, cresceu quase cinco vezes entre 2008 e 2017. As informações constam das declarações de IR (Imposto de Renda) entregues pelo próprio sacerdote à Polícia Civil de Limeira, que o investiga por suposta extorsão de padres subordinados a ele. Os documentos revelam uma evolução patrimonial de 380% em dez anos – de R$ 80,5 mil para R$ 386,4 mil.

Vilson foi nomeado bispo em 2007. A parte policial do inquérito de Limeira foi concluída. No relatório final, enviado nesta quinta-feira à Justiça e ao MP (Ministério Público), o crescimento do patrimônio do religioso não é citado.

O delegado Otávio Ferreira Balbão Jr. apenas relata a doação de R$ 4 mil que Vilson recebeu de uma paróquia de Artur Nogueira – o fato foi revelado ontem com exclusividade pelo LIBERAL.

O religioso é o chefe da Igreja Católica em 16 cidades da região, inclusive Americana. Ele também é alvo de outro inquérito (este conduzido pela polícia de Piracicaba) em virtude de denúncias de que teria acobertado supostos abusos sexuais atribuídos ao padre americanense Pedro Leandro Ricardo – Leandro nega tudo.

O inquérito de Limeira foca só as supostas extorsões, que Vilson nega à polícia (diz que os R$ 4 mil foram uma doação porque passava por má fase financeira, mas que jamais exigiu dinheiro).

No dia 1º de abril, o bispo, que tem 60 anos e é padre há 35, afirmou ao delegado Otávio Balbão que seu patrimônio é oriundo de família e que também ganha R$ 12 mil mensais como bispo, além de não ter custos particulares.

Em 2018, porém, Vilson declarou à Receita que recebeu R$ 54 mil da igreja no ano anterior, ou seja, R$ 4,5 mil por mês. O LIBERAL perguntou à Diocese se o salário dele saltou de R$ 4,5 mil em 2017 para os R$ 12 mil que ele diz ganhar hoje ou se o bispo não declarou tudo que recebia. A assessoria de imprensa só informou que, segundo o advogado de Vilson, ele não iria comentar porque a investigação policial é sigilosa. Essa foi a única resposta para todas as indagações da reportagem.

Também não consta nas declarações de Vilson, nesses dez anos, nenhuma herança recebida. Ele recebeu três doações de um empresário, entre 2013 e 2016, que somam R$ 180 mil. Apesar de todas constarem das declarações, em apenas um ano (2014), Vilson somou o valor doado a ele na relação de bens e direitos, que é o que se soma para chegar ao valor do patrimônio. O LIBERAL não conseguiu falar diretamente com o empresário, e a empresa da qual ele faz parte não quis comentar.

Na declaração mais recente, a de 2018 (ano-base de 2017), Vilson declarou R$ 383 mil em imóveis: uma casa em Guaíra (sua cidade natal), avaliada em R$ 110,5 mil; um prédio residencial em Itanhaém adquirido em 2016 e avaliado em R$ 191,4 mil, e um terreno de 300 metros quadrados na mesma cidade, comprado em 2017, ao qual foi atribuído o valor de R$ 81,2 mil. Os outros R$ 3,1 mil estavam depositados em contas bancárias.

Em 2009, Vilson declarou uma casa de R$ 75,5 mil em Bertioga e mais R$ 5 mil de participação em uma loja de materiais de construção da qual era sócio.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!