18 de outubro de 2021 Atualizado 22:30

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

ESTATÍSTICA

Em Americana, Covid matou 73 pessoas na faixa dos 40 anos

Os detalhes de cada caso fatal são divulgados diariamente em boletins da prefeitura, sem revelar a identidade dos pacientes

Por Ana Carolina Leal

24 jun 2021 às 06:26 • Última atualização 24 jun 2021 às 07:51

A pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19) segue rejuvenescendo o perfil de vítimas em Americana. Levantamento feito pelo LIBERAL com base nos dados da Vigilância Epidemiológica do município revela que desde o início da pandemia, em março do ano passado, 73 pessoas na faixa dos 40 anos perderam a vida em decorrência da doença.

Do total de mortes nesta faixa etária, 48 ocorreram entre março e este mês. “Esse é um reflexo claro da proteção da vacina para as faixas etárias que já tomaram duas doses”, afirmou André Giglio Bueno, infectologista e membro do Observatório da PUC-Campinas.

A reportagem analisou a data de morte e a idade das 643 vítimas do coronavírus na cidade desde o início da pandemia. Os detalhes de cada caso fatal são divulgados diariamente em boletins da prefeitura, sem revelar a identidade dos pacientes. Até esta quarta-feira, o município somava 21.734 casos positivos da doença.

Na proporção entre as vítimas, a idade também tem ganhado espaço. Entre março e abril, as pessoas que morreram em decorrência da doença e tinham entre 40 e 49 anos, representavam 10 e 13% dos óbitos na cidade, respectivamente. Em maio e junho, passou a representar 16 e 18%.

“Esse resultado é com certeza por conta da proteção da vacina das faixas etárias que já foram vacinadas. Conforme vai aumentando a proteção, o percentual de vacinados com duas doses dessas faixas etárias mais elevadas, vai empurrando as internações para as faixas etárias menores”, explicou o infectologista.

Segundo o médico, a proporção entre as vítimas da faixa dos 40 anos aumentou porque tem mais gente protegida de outras idades mais elevadas. “ E não seria esperado ter pessoas mais jovens ainda porque já está claro que o principal fator de risco para agravamento da doença é a faixa etária”.

André afirmou ainda que na medida que aumenta a proteção de faixas etárias mais elevadas, ocorre uma proporção maior de pessoas mais jovens sendo internadas, que são aquelas que ainda não foram imunizadas. “Vai sendo uma coisa progressiva”.

Publicidade