25 de julho de 2021 Atualizado 12:01

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

CORONAVÍRUS

Americana tem 32 pessoas que assinaram termo de recusa da vacina contra Covid

Prefeitura destaca que número de recusa deve ser ainda maior, já que muitos não assinam o documento e cancelam o agendamento

Por Pedro Heiderich

21 jul 2021 às 07:45 • Última atualização 21 jul 2021 às 07:50

Em Americana, 32 pessoas já tinham assinado o termo de recusa da vacina contra o coronavírus (Covid-19) até esta terça-feira (20). Os números são da Unidade de Atenção à Saúde.

O município é, até o momento, o único da RPT (Região do Polo Têxtil) a adotar termo de responsabilidade para quem não quiser tomar o imunizante.

Americana foi única cidade da RPT a adotar termo de recusa – Foto: Ernesto Rodrigues / O Liberal

A prefeitura tomou a medida desde o início do mês em todos os pontos de vacinação para tentar inibir as escolhas de imunizante e evitar os “sommeliers” de vacina.

Entretanto, o Executivo destaca que o número de gente evitando alguma das vacinas pode ser maior.

“O setor informou que os casos são esporádicos, sendo que muitas pessoas não assinam o termo e depois cancelam o agendamento por quaisquer motivos, o que dificulta muito a mensuração”, informou a prefeitura.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

A administração municipal ressalta que o termo de responsabilidade não possui caráter punitivo.

“Porém, com a recusa do morador em tomar a vacina disponível, ele passa a aguardar momento oportuno referente à sua faixa etária e grupo populacional ao qual pertence, o que também não garante a ele a disponibilidade futura do imunizante preferido”, explica.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Em todo o País, foram disponibilizadas quatro vacinas contra o coronavírus até o momento: a CoronaVac/Butantan, a da Oxford/AstraZeneca, a da Pfizer e a da Janssen, esta com dose única. Todas têm eficácia comprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Entretanto, a recusa por imunizantes é comum. No sábado (17), o LIBERAL presenciou um morador “comemorando” a vacina disponível no posto de saúde do Jardim São Paulo e que ele tomaria o imunizante da Pfizer.

O rapaz confidenciou que não queria tomar a vacina da AstraZeneca, alegando medo de reações após a imunização. Automaticamente, a profissional de saúde que o atendia ressaltou que as reações variam de organismo para organismo e que todos os imunizantes são seguros.

“Quem recusa está se arriscando a pegar o coronavírus. Ninguém tá isento de pegar o preço pelas suas atitudes. Já tem pessoa internada que recusou vacina. Não pode alegar que não teve chance”, destaca o médico infectologista Dr. Arnaldo Gouveia, que atua em Americana.

Santa Bárbara d’Oeste não trabalha com termos de recusas. “Caso o cidadão não queira se vacinar, ele é orientado que poderá tomar a vacina em outro momento, caso exista doses disponíveis para o seu público-alvo, porém sem possibilidade de escolha do tipo do imunizante a ser aplicado”, diz a prefeitura.

Quando vacinado, o prefeito de Santa Bárbara, Rafael Piovezan (PV), pediu à população que não escolhesse a vacina.

Publicidade