07 de agosto de 2020 Atualizado 13:42

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Americana

DIG descobre laboratório de anabolizantes no Jardim Boer

Policiais apreenderam 596 ampolas com líquido injetável e 14.370 comprimidos da droga; fabricante foi preso nesta sexta

Por Rodrigo Alonso

11 jul 2020 às 09:30 • Última atualização 11 jul 2020 às 09:53

A DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Americana descobriu um laboratório de anabolizantes na tarde desta sexta-feira, no Jardim Boer. O fabricante e fornecedor dos entorpecentes, um homem de 26 anos, foi preso no local.

Os policiais apreenderam 596 ampolas com líquido injetável e 14.370 comprimidos da droga, além de equipamentos usados na produção. No imóvel, também havia uma estufa com 30 pés de skunk, um tipo mais forte de maconha.

Segundo homem preso ontem, cada frasco de líquido injetável custava R$ 100 – Foto: Marcelo Rocha – O Liberal.JPG

À DIG, o acusado, que é praticante de fisiculturismo, afirmou vender os anabolizantes para clientes espalhados pela região, de Piracicaba a Campinas.

Ele contou que tinha um faturamento médio de R$ 30 mil por mês, segundo a delegacia. Cada frasco de líquido injetável, por exemplo, custava R$ 100. As vendas ocorriam pela internet e pessoalmente.

O caso era investigado pela DIG há cerca de um mês. As investigações ganharam força nesta sexta, quando a Gama (Guarda Municipal de Americana) prendeu três pessoas ao averiguar uma denúncia anônima sobre tráfico de medicamentos controlados.

Na ação, os guardas flagraram uma mulher de 30 anos dando uma sacola com medicamentos para outra pessoa. A equipe também encontrou maconha no local. O marido da suspeita, também de 30 anos, assumiu a propriedade da droga, que era mantida apenas para consumo próprio, conforme ele disse à Gama.

Vendas ocorriam pessoalmente e na rede – Foto: Marcelo Rocha – O Liberal.JPG

Durante a ocorrência, um motoboy chegou ao local. Ele trazia três frascos de medicamento controlado, de acordo com a Guarda. A DIG constatou, depois, que eram remédios para emagrecimento.

A partir disso, os policiais civis localizaram o laboratório do suposto fornecedor das drogas. A delegacia, no entanto, não achou remédios de emagrecimento na casa. A corporação conseguiu confirmar apenas que o fabricante comercializava anabolizantes.

No imóvel, a DIG também localizou dois RGs falsos. Ele confessou que usava esses documentos quando importava a matéria-prima utilizada na fabricação. O homem acabou indiciado por falsificação de produto terapêutico, tráfico de drogas e uso de documento falso.

A delegacia, agora, investiga se o acusado faz parte de uma quadrilha. “Provavelmente, tenha mais pessoas envolvidas nisso, na importação dos produtos. Tem toda essa questão que a gente vai passar a investigar agora”, declarou o delegado José Donizeti de Melo.

Podcast Além da Capa
Por quais razões a recomendação de manter o isolamento social permanece como a maneira mais difundida no combate ao novo coronavírus, mesmo com mais de 100 dias de quarentena e com a retomada da produção econômica em curso?