Devolução de salário gera debate na câmara

Críticos ao projeto que reduziria o subsídio dos vereadores sugeriram a devolução do dinheiro para a Casa Legislativa


A discussão acalorada sobre o projeto de redução do subsídio dos vereadores de Americana, na sessão desta quinta-feira (8), levou parlamentares contrários sugerirem que aqueles a favor da medida devolvam, espontaneamente, metade ou parte do salário à Câmara de Americana, mensalmente. O projeto de redução do subsídio foi derrubado na sessão desta quinta-feira.

Foto: Câmara de Americana / Divulgação
Marschelo Meche

A ideia foi dada justamente porque a redução proposta pelo vereador Marschelo Meche (PSDB) teria efeito somente para os vereadores eleitos em 2020. O argumento dos 11 parlamentares que votaram contra é de que a proposta é “eleitoreira” e “populista”.

O vereador Odir Demarchi (PR) foi um dos que fez a sugestão da devolução de parte do salário, e até questionou a mesa diretora se seria possível. Ondas confirmou. “É só fazer um cheque todo mês e encaminhar para a secretaria da câmara”, disse.

Juninho Dias (MDB) disse que irá cobrar, junto com Odir, essa ação dos parlamentares. “A gente viu quem foram os favoráveis. Se votaram para os próximos, seria interessante eles começarem já. É simples, só fazer o cheque que faz a devolução, quer direcionar para o hospital, escola, só fazer. Mas tem que parar de hipocrisia”, disse durante a sessão desta quinta-feira.

O projeto

O texto original cortava pela metade o subsídio dos vereadores, hoje em R$ 10,3 mil. Ao longo da discussão, ao notar a resistência, Meche mudou para 20% a redução. Ele argumentou dizendo que “vereador não é profissão” e que o valor pago aos parlamentares atualmente é muito superior à média de salário dos americanenses, que, conforme o projeto, é de R$ 2,7 mil. A proposta, defendeu, geraria uma economia de R$ 1,2 milhão aos cofres públicos anualmente.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!