25 de fevereiro de 2021 Atualizado 13:27

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Americana

Depois de 14 meses, câmara rejeita projeto que diminuiria tarifa do ônibus

Propositura foi protocolada em 23 de dezembro de 2019 para tentar derrubar o decreto que reajustou o preço da passagem

Por André Rossi

19 fev 2021 às 08:12

Depois de 14 meses, a Câmara de Americana votou na sessão desta quinta-feira (18) o projeto de decreto legislativo que visava derrubar o aumento da passagem de ônibus de R$ 4 para R$ 4,70. O texto acabou rejeitado por 16 a 2.

A propositura foi protocolada no dia 23 de dezembro de 2019 pelo ex-vereador Rafael Macris (PSDB). Dois dias antes, o ex-prefeito Omar Najar (MDB) havia publicado um decreto reajustando o valor da tarifa, o que gerou protesto dos vereadores; a cidade estava no terceiro contrato emergencial.

A questão acabou no MP (Ministério Público) e, até hoje, está em discussão no poder judiciário. Agora, a cidade vive a expectativa pelas negociações entre o prefeito Chico Sardelli (PV) e a Sancetur para tentar reduzir o valor oferecido na licitação.

A empresa – que é a atual prestadora do serviço e está no quinto contrato emergencial – foi a única interessada e venceu a concorrência no início deste mês. Porém, o prefeito se recusou a assinar o contrato com a tarifa a R$ 5,40 e negocia uma redução no preço.

Foi esse cenário que fez com que a maioria dos vereadores votasse contra o decreto legislativo nesta quinta-feira. O mesmo teve sua discussão adiada em três oportunidades em 2020 por pedidos de vista e até manobras da base de Omar.

Porém, nesta nova legislatura, o entendimento foi de que a derrubada do decreto atual poderia gerar um novo imbróglio jurídico. Durante o debate, o líder de governo Thiago Brochi (PSDB) pediu o voto contrário dos colegas e citou as negociações de Chico com a empresa.

“Isso não significa que a gente está votando contra a população de Americana, pelo contrário. Nenhum vereador aqui quer votar contra a população. Fiquem de consciência tranquila que, nesse momento, nós infelizmente não podemos fazer nada”, comentou Brochi.

O posicionamento foi endossado por Gualter Amado (Republicanos), que sempre criticou a administração anterior por conta do transporte. O vereador voltou a recomendar que o prefeito cancele a atual licitação e, se necessário, firme um novo contrato emergencial; o atual vence em março.

“Fazer essa nova licitação fora do período de pandemia. Talvez esteja afastando novos concorrentes, quebrando a possibilidade de novas ofertas aqui para o transporte de Americana. Isso é muito ruim”, lamentou Gualter.

Dr. Daniel (PDT) apoiou a fala de Gualter por um novo edital. Os únicos vereadores que votaram favoráveis ao decreto foram Professora Juliana (PT) e Vagner Malheiros (PSDB).

Publicidade