Dengue e frio fazem estoque no Banco de Sangue despencar

Houve aumento de 50% nas solicitações por baixa de plaqueta em maio em relação a abril; como agravante, doações caíram


O Banco de Sangue do Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, em Americana, está com o estoque baixo. Estão sendo solicitados principalmente A e O, positivo e negativo, mas todos os tipos são aceitos. A epidemia de dengue enfrentada pela cidade e a queda na temperatura explicam a situação.

As solicitações para transfusão de plaquetas aumentaram 50% em maio relação ao mês de abril. De acordo com a enfermeira responsável pelo Banco de Sangue, Bruna Busnardo, não é possível indicar quantas solicitações têm relação com a dengue, já que os pedidos chegam apenas com o diagnóstico – como anemia ou número baixo de plaquetas.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Enfermeira do banco de sangue, Bruna Busnardo diz que não é possível indicar quantas solicitações têm relação com a dengue

Contudo, ela acredita que a epidemia da doença e a ocorrência da dengue hemorrágica aumentaram a necessidade por sangue. Um agravante é que a transfusão de plaqueta demanda uma quantidade maior de bolsas do que a transfusão de hemácias ou de plasma, outros componentes sanguíneos.

O motivo é que a concentração de plaquetas é baixa – a cada 500 ml de sangue, há no máximo 70 ml. A concentração de hemácias, por outro lado, é de 250 ml, e a de plasma chega a até 150 ml.

O paciente que vai receber a transfusão de plaquetas precisa de um doador para cada dez quilos. Assim, uma pessoa com 90 quilos precisa de nove doadores.

“Estamos dando preferência para A e O, que são os que a maioria da população tem, mas qualquer tipo sanguíneo que está chegando estamos aceitando. Quem recebe plaqueta não precisa da mesma tipagem, pode ser qualquer tipo de sangue”, indicou a enfermeira.

Basta a temperatura cair para a presença de doadores diminuir. De 25 a 30 doações diárias, a média caiu para até seis desde que o tempo começou a esfriar na semana passada. Além disso, a ocorrência de resfriados nessa época do ano também impede a doação, já que é preciso estar saudável.

A orientação para quem contraiu dengue é esperar 30 dias após a cura para doar; quem teve a doença na forma hemorrágica precisa aguardar três meses.

Bruna indicou ainda outras situações comuns em que há a vontade de doar, mas não é possível. Pessoas que já precisaram tomar insulina em algum momento estão impedidas por toda a vida; quem passou por endoscopia ou colonoscopia precisa esperar seis meses após o procedimento.

“Muita gente que precisou tomar sangue por conta de câncer e vem com muito boa vontade doar, mas infelizmente quem já teve não pode”, explicou a enfermeira.

COMO DOAR SANGUE

O Banco de Sangue fica na Avenida da Saúde, 415, e funciona de segunda a sexta, das 8 às 11h30.

O doador precisa seguir algumas recomendações:
– Não estar em jejum;
– Repouso mínimo de 6 horas na noite anterior à doação;
– Não ingerir bebida alcoólica nas 12 horas anteriores;
– Evitar fumar pelo menos 2 horas antes da doação;
– Evitar o consumo de alimentos gordurosos nas 3 horas anteriores à doação;
– Apresentar documento com foto válido no território nacional;
– O doador deve ter entre 16 e 69 anos. Menores de idade devem estar acompanhados dos pais;
– Necessário ter acima de 50 kg e estar bem de saúde.

Fonte: Prefeitura de Americana

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora