Demitidos do HM ficam de maneira voluntária

De acordo com o governo, o grupo criou uma “força-tarefa” até que o serviço seja adequado


Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
De acordo com governo, o grupo criou uma “força-tarefa”

Doze dos 34 comissionados demitidos do HM (Hospital Municipal) na semana passada por determinação judicial estão trabalhando de forma voluntária. A informação é da própria prefeitura.

De acordo com o governo, o grupo criou uma “força-tarefa” até que o serviço seja adequado. Eles eram contratados da Fusame (Fundação de Saúde do Município de Americana) e encarregados de várias áreas no hospital.

Outros servidores demitidos são concursados, mas ocupavam cargos em comissão. Voltaram, portanto, a suas funções de origem, e de acordo com a prefeitura estão atuando na “força-tarefa.”

O LIBERAL quer saber sua opinião sobre o nosso portal. Acesse o questionário online e nos ajude a melhorar. CLIQUE AQUI PARA RESPONDER A PESQUISA.

Na última sexta-feira, a Fusame demitiu os 34 dos cargos em comissão por determinação do TJ (Tribunal de Justiça). O tribunal julgou inconstitucional uma lei aprovada em março de 2000, que criou 44 cargos em comissão – apenas 34 estavam ocupados. Foi o MP (Ministério Público) que pediu a inconstitucionalidade da lei. O motivo foi a ausência de descrição dos cargos, o que foi feito somente em 2018.

Uma funcionária do hospital, que pediu para não ser identificada, disse que o fato de os comissionados continuarem trabalhando criou dúvidas entre servidores, que não sabiam como proceder ao obedecer a pessoas que, na verdade, não ocupam mais seus cargos.

TERMO. A prefeitura informou que os profissionais assinaram “termo de voluntariado” e que a medida tem respaldo na Lei Federal 9.608/98 e na Lei Municipal 3721/2002.

O LIBERAL falou com uma das coordenadoras, que preferiu não comentar o assunto.
Segundo a prefeitura, foram os profissionais que se propuseram ao serviço voluntário, por entenderem a importância da continuidade do serviço.

 

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora