29 de junho de 2022 Atualizado 19:39

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

ABASTECIMENTO

Conta de água terá reajuste de 13,34% em Americana

Mudança passa a valer 30 dias após a publicação oficial; percentual foi definido pela Ares-PCJ e aprovado pela prefeitura

Por João Colosalle

28 de janeiro de 2022, às 12h42 • Última atualização em 28 de janeiro de 2022, às 18h38

A conta de água e esgoto em Americana vai ficar 13,34% mais cara. O percentual de reajuste foi proposto pela agência reguladora do setor e divulgado pela prefeitura nesta sexta-feira (28), após aprovação do Conselho de Regulação e Controle Social dos Serviços de Saneamento Básico do município. A mudança passa a valer 30 dias após ser publicada em diário oficial.

O aumento definido é pouco mais de três pontos percentuais acima da inflação registrada em 2021, que fechou em 10,01%, e confirma a previsão do prefeito Chico Sardelli, de que o reajuste ficaria próximo do indicador.

Na nota divulgada à imprensa nesta sexta, a Prefeitura de Americana ressaltou que, apesar do reajuste, a cidade permanece como uma das menores tarifas de água da região. Com o percentual, o valor do metro cúbico da tarifa mínima cobrada pelo DAE (Departamento de Água e Esgoto) passa de R$ 3,33 para R$ 3,77. A mudança vale para consumo residencial, comercial e industrial.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O reajuste em Americana é maior do que o definido recentemente em Santa Bárbara d’Oeste, onde as contas de água e esgoto ficarão 9,85% mais caras, mas menor do que aprovado em Sumaré, de 13,7%, onde o serviço é concedido à iniciativa privada.

O departamento justifica que o reajuste ajuda a reequilibrar financeiramente o serviço, cujos custos “aumentaram consideravelmente” desde o último aumento, em 2019.

De acordo com o DAE, nos últimos 12 meses, a energia elétrica – maior gasto da autarquia – teve alta de 21,25%, que representa um aumento mensal de aproximadamente R$ 300 mil na operação do abastecimento e tratamento de água no município. No total, o departamento gasta R$ 1,5 milhão por mês com as contas de energia.

O DAE alega também que o custo com produtos usados para o tratamento da água e materiais usados em manutenção subiram 32,89%. A situação é agravada pelos períodos de estiagem, que tornam a operação mais cara.

Em outubro, o LIBERAL mostrou que os gastos com insumos para tratar a água que é captada do Rio Piracicaba e enviada para a casa dos americanenses ficaram de 33% a 60% mais caros no segundo semestre.

A autarquia destacou ainda o gasto com serviços terceirizados, que envolvem equipes de manutenção de rua, limpeza e portaria, por exemplo. O aumento foi de 18% em um ano.

Além da mudança na conta de água e esgoto, o reajuste também atinge o preço dos serviços prestados pelo departamento – os chamados preços públicos.

A prefeitura informou que serviços como o de substituição de hidrômetros e ligação de água e esgoto terão reajuste de 10,74%.

Na nota, o superintendente do DAE, Carlos Cesar Gimenez Zappia, destacou que o valor da tarifa com um dos mais baixos na região e defendeu investimentos da autarquia.

“O valor cobrado pelo DAE pelo metro cúbico de água é menor do que vários municípios, como Santa Bárbara d’Oeste, Sumaré, Nova Odessa, Paulínia, Limeira, Indaiatuba e Campinas, apenas para citar alguns. Isso demonstra que estamos utilizando os recursos disponíveis com seriedade, fazendo os investimentos necessários, mantendo uma tarifa baixa, principalmente para aqueles que estão atentos para um consumo racional da nossa água”, ressaltou.

Publicidade