11 de maio de 2021 Atualizado 18:23

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Americana

Comportamento da população será decisivo para não haver nova explosão de casos, alertam médicas

Adesão às regras sanitárias e ao distanciamento social diante das flexibilizações são destacados

Por Marina Zanaki

17 abr 2021 às 08:28

O comportamento da população diante da fase de transição será decisivo para que não haja uma nova explosão de casos do novo coronavírus (Covid-19). O alerta foi feito por especialistas ouvidas pela reportagem nesta sexta-feira, após o governador João Doria (PSDB) autorizar o funcionamento do comércio e celebrações religiosas a partir de domingo.

A médica Ártemis Kílaris, que atua na linha de frente da pandemia na rede particular em Americana, disse que houve uma redução de novas internações esta semana. Em função disso e pensando em não penalizar a economia, ela entende como “aceitável” a fase de transição proposta pelo governo estadual nesta sexta.

Médica Ártemis Kílaris entende como “aceitável” a transição – Foto: Divulgação

“Tem que pensar no lado econômico do País, por outro lado as pessoas não podem se descuidar, pode ter uma nova onda e é isso que vemos na prática. Passa um período bem, todo mundo volta de maneira irresponsável, e dali a pouco começam casos de novo. Isso poderia ser evitado se as pessoas tivessem mais responsabilidade”, argumentou.

“Os casos diminuíram essa semana, mas não temos uma garantia. Já vivemos tanta decepção de estar em uma fase boa e passar. Março foi terrível para a pandemia, e nossas UTIs ainda estão lotadas de casos que entraram em março ou na primeira quinzena de abril, que ainda foi puxado”, explicou Ártemis.

Infectologista da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Raquel Stucchi avaliou a flexibilização como “precipitada”. Ela argumentou que apesar da redução nas novas internações, as taxas de ocupação ainda estão altas. Na região de Campinas, 83,4% dos leitos de UTI Covid estão ocupados.

“Flexibilizar agora pode não dar tempo para o sistema de saúde se recompor, ou pelo menos ter condição de absorver novos pacientes. Vejo de forma um pouco precipitada, aguardar mais uma semana, pelo menos, para ver se confirma essa tendência de queda seria o ideal”, avaliou a médica.

A profissional também fez um apelo à população. “Apesar da flexibilização anunciada, a situação não está confortável. Então que as pessoas só saiam se realmente precisarem. Essa flexibilização não significa melhora expressiva da situação, não é momento de festa, aglomeração, é para continuar, usar máscara direitinho, manter distanciamento social, higienizar as mãos, e quem está no momento de vacinar, que se vacine”.

As cinco cidades da RPT (Região do Polo Têxtil) informaram mais 19 mortes pelo coronavírus nesta sexta-feira. Com isso, a região chega a 2.062 vidas perdidas pela pandemia. As vítimas tinham entre 27 e 92 anos.

Publicidade