13 de junho de 2021 Atualizado 18:25

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

POLÊMICA

Comerciantes e empresários criticam presença de circo em Americana

Sócios citam “esforço enorme há mais de um ano para evitar aglomerações”, diz Acia

Por Pedro Heiderich

14 Maio 2021 às 18:16 • Última atualização 15 Maio 2021 às 08:22

Comerciantes e empresários de Americana criticaram a presença de circo instalado no estacionamento da Fidam (Feira Industrial de Americana), que anunciou apresentações a partir da noite desta sexta-feira (14).

A prefeitura diz que o circo não poderá abrir. O local afirma que está tomando as providências necessárias.

Plano São Paulo permite atividades culturais até às 21h – Foto: Marcelo Rocha/O Liberal

De acordo com o presidente da Acia (Associação Comercial e Industrial de Americana), Wagner Armbrustrer, os sócios da entidade criticaram e reclamaram da presença do circo na cidade em plena pandemia do coronavírus (Covid-19) e de eventuais apresentações.

“Estamos fazendo um esforço enorme há mais de um ano para evitar aglomerações e um circo, no momento (respeitando o profissionalismo de cada um), não seria adequado”, diz parecer dos sócios.

“Os comerciantes já reclamaram à Acia e explicaram que o momento econômico da cidade não é para atividades de fora”, explica o presidente ao LIBERAL.

“Precisamos fortalecer os postos de trabalho locais. Sem pandemia, seria excelente. Mas, hoje, corremos o risco de agravar o quadro de saúde e as dificuldades econômicas da cidade”, finaliza Wagner.

ENTENDA O CASO
Com propaganda de rádio local, o Circo Maximus Brasil tem anunciado apresentações em Americana, com início a partir desta sexta-feira (14).

Há espetáculos marcados para toda a semana seguinte, mas a prefeitura informou ao LIBERAL nesta quinta-feira (13) que o evento não tem autorização para ocorrer, no mínimo, até 23 de maio, data de vigência do atual decreto do Plano São Paulo do Governo do Estado.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

A fase de transição do Plano São Paulo, que vai até o dia 23, permite atividades culturais, mas até às 21h, com 30% da capacidade e aplicação de protocolos sanitários. Das 21h às 5h, vigora o toque de restrição.

“Entre outras motivações para a não autorização está o agendamento para as 20h, próxima ao limite de funcionamento previsto pelo Plano São Paulo; o curto intervalo entre as sessões, que dificultam a comprovação de que haverá correta higienização do ambiente e de que não haverá aglomeração na entrada e saída das sessões; assim como a venda antecipada de ingressos sem a devida autorização”, lista a prefeitura.

A nota ainda faz um alerta sobre os riscos e cita o sacrifício do comércio local, que sofre com as restrições durante a pandemia.

“O município conta com altos índices de ocupação hospitalar e que os números de casos e mortes por Covid-19 ainda são altos. Não seria razoável que diante de tantos problemas e de tantas limitações que o Plano São Paulo impôs para o comércio local, o evento ocorra”.

O Estado explicou ao LIBERAL que o funcionamento do circo é autorizado pelo Governo, das 6h às 21h, mas fica a critério das prefeituras decidir. O circo teria sido informado quarta-feira (12), relata a prefeitura.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

O QUE DIZ O CIRCO
Nas redes sociais, o Circo Maximus anuncia: “Com sua mais nova estrutura, a grandiosa estreia vai acontecer nesta sexta, a partir das 20h”. Ainda estão marcados espetáculos para sábado e domingo, três sessões cada, e de terça a sexta.

“O Circo Maximus está respeitando todas as normas de segurança e capacidade para você se divertir ao máximo”, ressalta o estabelecimento. A reportagem entrou em contato com o circo pelos números de WhatsApp disponibilizados nas redes sociais.

Um responsável que não quis ser identificado declarou que o circo terá permissão para os espetáculos. “Não funcionamos sem alvará, trabalhamos conforme a determinação, com capacidade reduzida e alvará da prefeitura e do Corpo de Bombeiros”.

Questionado sobre o fato da prefeitura dizer que não há autorização e que o circo já foi informado, o homem relatou. “Nossa parte administrativa está tomando todas as providências direto com a prefeitura”.

A prefeitura foi questionada a respeito, mas ainda não respondeu.

FIDAM DIZ QUE RESPONSABILIDADE É DO CIRCO

O advogado da Fidam, André Ricardo Duarte, disse à reportagem que a Fidam é responsável apenas pelo contrato de cessão do local, no caso o estacionamento.

“Toda parte de alvará de funcionamento, de aprovação do Corpo de Bombeiros e prefeitura é com o circo. A informação que temos é que eles estariam respeitando as normas, que o alvará dos bombeiros já está ok e que teriam dado entrada na prefeitura”.

Questionado sobre eventual abertura do circo e multa da prefeitura, o advogado avalia. “A Fidam não quer que isso aconteça, mas não há risco de multa para a Fidam, que não teria nenhum prejuízo”.

Publicidade