27 de novembro de 2020 Atualizado 21:53

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Americana

Com pandemia, setembro ‘desbanca’ maio e vira mês da noiva

Após flexibilização nas restrições, casamentos voltam a crescer em setembro na região

Por Marina Zanaki

25 out 2020 às 07:59

Setembro viu uma disparada de casamentos nos cartórios de Americana, Santa Bárbara d’Oeste e Nova Odessa. O aumento ocorre após a flexibilização de restrições da pandemia e vem após meses de queda nos registros de casamentos.

Maio, que tradicionalmente é o mês com mais casamentos, foi superado por setembro em Santa Bárbara d’Oeste e Nova Odessa. Nessa última, isso não acontecia desde 2015.

Na comparação entre abril, primeiro mês completo sob os efeitos das restrições da pandemia, e setembro, todas as cidades apresentaram crescimento.

O maior aumento percentual foi em Americana, na casa dos 571%. Foram apenas 14 casamentos em abril e 94 em setembro. As informações foram levantadas pela Arpen (Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais).

O casal Lucas e Maria Carolina, de Americana, que se casou no mês passado – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

A comerciante Maria Carolina Pavan Granato e o autônomo Lucas Perez Granato, de Americana, são um dos casais que oficializaram a união no mês passado. Previsto para ocorrer em janeiro, o casamento foi adiantado pois eles precisavam de uma solução para os cuidados com os filhos. As crianças ficavam com os avós, mas a rotina foi mudada em função do risco do novo coronavírus.

A ótica de Carolina foi transferida do Centro para a casa onde mora, no Frezzarim, possibilitando que ela ficasse com as crianças, e o casal oficializou a união.

Para Maria Carolina, a aceitação que o casamento não aconteceria da forma como haviam esperado, mas no momento certo da vida deles, é um eco da
própria história do casal.

Os dois estudaram na mesma escola e na mesma época quando crianças, eram vizinhos em Santa Bárbara e suas mães haviam estudado juntas.

Contudo, só foram se conhecer quando adultos, com filhos de relacionamentos anteriores, e engataram o romance. “As coisas acontecem quando têm que acontecer mesmo”, disse a comerciante.

Guilherme Zucca e a biomédica Bianca Paschoale – Foto: Divulgação

O engenheiro de segurança do trabalho Guilherme Zucca e a biomédica Bianca Paschoale, de Nova Odessa, planejavam se casar no final de 2021. Contudo, em abril deste ano o casal descobriu que Pedro estava a caminho.

A gravidez pegou os dois de surpresa, e eles correram para oficializar a união.

O casamento foi celebrado com várias restrições no início de outubro, mas com muitas facilidades junto aos fornecedores pela falta de “concorrência”.

“Não foi da forma como imaginávamos, gostaríamos de ter presentes toda a família e amigos que são parte do relacionamento. Estamos juntos há praticamente 10 anos. Mas na medida do possível ocorreu tudo bem, o saldo é positivo, ainda mais com a gestação. Tudo acaba sendo um pouquinho mais mágico”, disse Guilherme.

No Estado de São Paulo, o aumento de casamentos em setembro em relação a abril foi de 84%. Para o presidente da Arpen, Gustavo Fiscarelli, os dados mostram que a população começa a retomar a realização dos planos pausados pela pandemia.

Número de casamentos tem crescido – Foto: Editoria de arte / O Liberal

“O casamento é um dos eventos mais significativos da vida civil de uma pessoa, assim como são os registros de nascimento e de óbito, por exemplo. Por serem responsáveis por todos esses atos, os cartórios de registro civil continuam exercendo suas atividades mesmo durante a pandemia, mas, para isso, tomamos todas as providências cabíveis para que a segurança do usuário esteja sempre em primeiro lugar nesses momentos tão importantes”, afirmou.

Publicidade