06 de março de 2021 Atualizado 16:26

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Americana

Chico retira projeto para venda de terreno ao DAE

Prefeito quer estudar novas alternativas para o caso, que gerou críticas dos vereadores no ano passado

Por André Rossi

18 fev 2021 às 07:54 • Última atualização 18 fev 2021 às 09:39

A Prefeitura de Americana confirmou nesta quarta-feira (17) que o prefeito Chico Sardelli (PV) decidiu retirar de tramitação o projeto de lei que autoriza a venda de uma área do Executivo para o DAE (Departamento de Água e Esgoto). O texto estava previsto para ser votado pelos vereadores na sessão desta quinta-feira (18).

O projeto foi apresentado em setembro de 2020 pelo ex-prefeito Omar Najar (MDB). A ideia era que o terreno fosse usado pela autarquia para construção de um novo reservatório “pulmão” na ETA (Estação de Tratamento de Água), com capacidade para 10 milhões de litros d’água.

Entretanto, o modelo adotado foi criticado pelos vereadores pelo fato de estipular a venda da área ao invés de concedê-la para a autarquia. Durante sessão do dia 22 de outubro, o superintende do DAE, Carlos Cezar Gimenez Zappia, foi até a câmara para defender o projeto.

A justificativa da prefeitura era que o DAE não tinha propriedades no município. O vereador Gualter Amado (Republicanos) não se convenceu e ficou irritado quando Zappia confirmou que outros reservatórios de água ficam em terrenos da prefeitura, e não do DAE.

Para o parlamentar, a venda por esse motivo não fazia sentido. A ex-vereadora Maria Giovana (PDT) acompanhou as críticas e o projeto recebeu pedido de vistas. Na sessão seguinte, teve sua discussão adiada.

Na época, o prefeito Omar rebateu as críticas e voltou a falar da falta de propriedades do DAE. No entanto, admitiu que não havia impedimento para discutir uma eventual concessão.

“O que o DAE tem de propriedade? Nada. Se acharem por bem não aprovar, tudo bem. A prefeitura não faz. Deixa para o outro prefeito fazer”, disse Omar.

O projeto voltou à pauta neste ano, na primeira sessão da nova legislatura, em 21 de janeiro, quando Gualter pediu o adiamento por 20 dias. Questionada pelo LIBERAL, a prefeitura confirmou que o projeto não será debatido.

“O prefeito Chico Sardelli decidiu retirar o projeto para estudar novas alternativas”, resumiu a prefeitura nesta quarta-feira (17).

Publicidade