14 de agosto de 2020 Atualizado 21:56

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Americana

Câmara de Americana deve lançar concurso para 12 vagas

Além do processo, o presidente da Casa também discute com vereadores a possibilidade de cortes de assessores comissionados

Por George Aravanis

23 nov 2019 às 10:10

A Câmara de Americana deve lançar concurso para preencher 12 vagas e também formar um cadastro reserva nas funções hoje ocupadas pelos servidores concursados (são 37 efetivos na Casa).

O presidente do Legislativo, Luiz da Rodaben (PP), diz que o edital está pronto e que os funcionários estão levantando orçamentos de empresas para estimar o custo de realização do concurso e lançá-lo, o que deve acontecer em breve. Até lá, porém, o edital pode mudar e o número de vagas ser alterado, de acordo com o presidente.

Segundo a secretária-geral da câmara, Juliana Nandin de Camargo Secco, as 12 vagas definidas no momento são distribuídas em cinco cargos: procurador jurídico (quatro vagas), técnico de edição de vídeo (duas), técnico de áudio e imagem (uma), contador (um) e analista de comunicação (quatro).

Parte dessas funções hoje é desempenhada por comissionados, e esses cargos de confiança devem ser eliminados após o concurso, diz Rodaben. “Alguns cargos que hoje são comissionados serão concursados”, afirmou Rodaben.

Já a abertura de concurso para os demais cargos não é para preenchimento imediato. Pode servir para situações em que haja aposentadoria, por exemplo.

Hoje, a câmara tem 81 funcionários comissionados (contando os três assessores a que cada vereador tem direito) e 37 concursados. O MPC (Ministério Público de Contas) sugeriu, inclusive, a rejeição das contas da casa referentes a 2018 em função da desproporcionalidade entre cargos de confiança e efetivos.

Em paralelo, o promotor Sérgio Buonamici mantém um inquérito aberto para apurar o que os assessores de vereadores fazem de fato.

Rodaben discute com os outros vereadores a possibilidade de cortar um assessor de cada gabinete. É que desde que foi criado o terceiro assessor que as contas têm sido rejeitadas, afirma o presidente do Legislativo. Não há definição sobre o assunto.